(pt) uniao anarquista UNIPA: A Resistência Curda em Afrin: defender a Revolução

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Segunda-Feira, 29 de Janeiro de 2018 - 07:34:30 CET


Publicamos aqui a avaliação das/dos camaradas da DAF - Turquia acerca da conjuntura da 
Revolução de Rojava e a recente investida do semi-imperialismo turco na cidade de Afrin, 
denunciando também a escalada do conservadorismo e do nacionalismo. ---- Nós a União 
Popular Anarquista - UNIPA denunciamos ainda em 2016 que a derrota do golpe militar iria 
colocar "a luta e revolução dos Curdos em outro patamar, agora com enfrentamentos cada vez 
mais diários não são só com as forças do ISIS (Estado Islâmico), como também do exército 
turco." Causa do Povo n° 75. ---- Isso vem se confirmando no ultimo período. As luta 
contra o DAESH permitia que um amplo leque de forças atuasse de forma coordenada ainda que 
se mantivesse a disputa política. As constantes derrotas do DAESH vem encerrando esse 
ciclo e iniciando um novo com mais disputa territorial dos territórios antes dominados 
pelo Estado Islamico, como Síria e Iraque. O recente ataque do Estado Turco gerido pelo 
conservador Erdogan vem confirmando nosso prognóstico de que a Revolução de Rojava.

O fato de terem existido essas atuações militares coordenadas por parte dos blocos 
imperialistas (EUA, Turquia, UE, Russia) e demais forças como o PKK/YPG/YPJ não significa 
que foram realizadas alianças políticas. Como apontamos no comunicado n° 44 -  Guerra e 
Revolução nas Trincheiras de Rojava: posição dos anarquistas revolucionários

Um dado importante deste conflito são as batalhas entre a própria oposição síria não 
jihadista pelo controle territorial do Curdistão sírio. O Exército Livre Sírio (FSA) 
alinhado ao imperialismo norte-americano, combateu Rojava durante três meses, sendo 
derrotado pela YPG no final de 2013, levando ao armistício e ao reconhecimento do 
território curdo pelo FSA. Portanto, além de serem atacados pelos jihadistas da frente 
Al-Nusra e do Partido Baas (de Assad), as milícias populares curdas tiveram de combater a 
chamada "oposição democrática" financiada pelos EUA. (UNIPA, 2015)

A nova guerra fria e o papel da Revolução em Rojava

Em que pese a diferença no conteúdo da nova guerra fria, os blocos são os mesmos, numa 
disputa entre capitalismo neoliberal vs capitalismo minimalista, pendendo portanto as 
diferenças ideológicas, ambos blocos são capitalistas. Os interesses russos são em manter 
o controle completo do território sírio nas mãos de assad, por isso fazem vista grossa 
sobre os bombardeios turcos em Afrin. Os EUA mantém o apoio a FSA e, por enquanto, a 
manutenção de armas para os Curdos, com intenção de estabilizar o território Sírio e 
evitar mais gastos militares diretos na região numa possível abertura de uma nova guerra 
com forças dispersas do DAESH. A Revolução em Rojava incomoda a todos os setores, pois é a 
instauração do socialismo sem estado com base no confederalismo democrático e no combate 
ao patriarcalismo. A Revolução em Rojava significa a liberdade, o autogoverno das 
trabalhadoras e trabalhadores.

Anarquistas turcos solidários com os resistentes curdos de AFRIN
Reproduzimos abaixo o comunicado da organização anarquista turca DAF em solidariedade com 
Afrin, um território curdo na Síria, que está a ser atacado pela Turquia com o beneplácito 
da maior parte dos países ocidentais e da Rússia. Os companheiros da DAF, apesar de 
violentamente perseguidos, expressam a sua repulsa pelo nacionalismo e pela estratégia 
turca de, através da guerra, ganhar peso negocial a nível internacional e, internamente, 
preparar o clima para as próximas eleições.

https://uniaoanarquista.wordpress.com/2018/01/26/a-resistencia-curda-em-afrin-defender-a-revolucao/


Mais informações acerca da lista A-infos-pt