(pt) quebrando muros: NOTA DO COLETIVO QUEBRANDO MUROS SOBRE AÇÃO LGBTFÓBICA DA JUSTIÇA

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Segunda-Feira, 25 de Setembro de 2017 - 08:06:23 CEST


O Coletivo Quebrando Muros manifesta seu repúdio contra a autorização da Justiça Federal 
da Seção Judiciária do Distrito Federal que acatou parcialmente uma liminar que busca 
regularizar o uso de terapias de "reversão sexual", indo contra a Resolução 01/99 do 
Conselho Federal de Psicologia. Esta afirma que não se deve utilizar qualquer tipo de 
patologização no que diz respeito à sexualidade no Brasil. ---- Entendemos tal medida como 
um retrocesso, uma vez que: ---- 1- a Psicologia não deve ser mais um braço da área de 
saúde que tem cada vez mais se tornado patologizante e desumanizadora, voltada para a cura 
de doenças e não para o entendimento do sofrimento do indivíduo inserido na sociedade e 
entendido como um todo; ---- 2- a fragilidade da saúde mental da comunidade LGBT é 
resultado de uma sociedade preconceituosa; ---- 3- heterossexualidade não é um padrão a 
ser seguido. Vivemos numa sociedade organizada a partir de relações de dominação e os 
LGBT's sofrem as consequências dos preconceitos advindos delas diariamente, e não da 
sexualidade que possuem.

Cabe ressaltar que, enquanto estamos vendo um retrocesso para os homossexuais, em 
específico, no Brasil, a transexualidade ainda é tratada como doença (transsexualismo), e 
muita gente sequer sabe disso. O fato de a transexualidade ser tratada como distúrbio traz 
muito sofrimento mental para essa população, que já sofre em consequência do preconceito 
diário que vivencia por causa da transfobia. Assim, além de nos colocarmos contra a 
autorização da Justiça Federal que permite que profissionais da psicologia tratem a 
homossexualidade como doença, somos a favor da despatologização da transexualidade, que já 
deveria ter ocorrido há muito tempo.

A psicóloga responsável por protocolar o pedido é assessora do deputado Sóstenes 
Cavalcante, filiado ao DEM, um dos membros da bancada evangélica na Câmara dos Deputados. 
É importante refletir que tal ação não está isolada dentro da realidade dos grupos LGBT's. 
Recentemente, o Movimento Brasil Livre, de forma reacionária e provocativa, realizou 
diversas ações em repúdio à exposição Queermuseu em Porto Alegre, alegando fazer apologia 
ao estupro e pedofilia quando se tratou da expressão da sexualidade infantil homoafetiva.

Repudiamos as ações intolerantes praticados por esse grupo, por propagar ódio às 
expressões de sexualidade que não se enquadram em padrões heteronormativos e por tentar 
limitar as expressões culturais que possuem teor mais crítico quanto às normas 
preestabelecidas pelas classes dominantes. O Brasil é um território que tem as maiores 
taxas de assassinatos de pessoas LGBT's: em 2016, a cada 25 horas uma pessoa LGBT foi 
morta, totalizando 343 assassinatos, número extremamente alarmante que merece ser encarado 
como completa negligência por parte do Estado em relação à saúde pública, segurança e 
educação acerca da sexualidade e respeito à diversidade. Além disso, merece ser apontado 
também a dificuldade de inserção no mercado de trabalho pelas pessoas LGBTs, em especial 
as pessoas transsexuais.

HOMOSSEXUALIDADE NÃO É DOENÇA!
CONTRA A PATOLOGIZAÇÃO LGBT!

https://quebrandomuros.wordpress.com/2017/09/22/nota-do-coletivo-quebrando-muros-sobre-acao-lgbtfobica-da-justica/


Mais informações acerca da lista A-infos-pt