(pt) [Argentina] Declaração da FORA ante a aparição do corpo de Santiago By A.N.A. (ca)

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Segunda-Feira, 30 de Outubro de 2017 - 07:32:22 CET


Estes últimos dias foram de muita angústia e tristeza pela aparição sem vida do corpo do 
companheiro libertário Santiago Maldonado. Desde o início, as circunstâncias foram muito 
estranhas, uma vez que apareceu em uma área vasculhada três vezes antes e nenhum corpo 
fica flutuando em um rio e vai costa acima. ---- Mas o mais angustiante e miserável de 
tudo foi o comportamento neste momento triste dos envolvidos em seu desaparecimento e 
encobrimento, nos referimos aos funcionários do Estado e dos meios massivos de 
comunicação. Após 80 dias de constantes mentiras por parte da Ministra da segurança 
Patricia Bullrich e das grandes cadeias de rádio, televisão e jornais, agora eles querem 
impor a versão de que Santiago simplesmente se afogou, que a Gendarmeria nunca teve nada 
que ver, e que na realidade ele não foi encontrado por causa dos mapuches. Os meios de 
comunicação cúmplices deste governo, se encarregaram de fazer o trabalho sujo de reciclar 
as mentiras que já disseram antes, para limpar a imagem de um governo que desde o início 
se mostrou a favor das multinacionais petroleiras, da mineração e dos grandes 
proprietários de terras.

Ante tal conjuntura, queremos fazer uma pergunta aos trabalhadores que diariamente recebem 
o bombardeio da mídia: se Santiago tivesse simplesmente se afogado, por que o governo e a 
mídia, por 80 dias, disseram que ele nunca foi ao protesto, que esteve, mas que havia 
escapada para o Chile, que ele se "sacrificou" pela causa se escondendo, que esteve em 
Entre Ríos, que estava na Tierra del Fuego, que estaria em uma localidade onde todos são 
semelhantes a ele, que é impossível para a polícia ter o apreendido no operativo realizado 
em 1º de agosto, porque ele conhecia artes marciais? Por que não se comportam como sérios 
e responsáveis que afirmam ser, e apenas observam e relatam o progresso? Por que, ao mesmo 
em tempo que mentiram sobre ele, procuraram criminalizar os mapuches e criar um inimigo 
interno que não existe? Por que a Gendarmeria e os vários policiais, por todo o país, 
amedrontavam todos aqueles que perguntavam onde Santiago estava? Nem é preciso falar sobre 
o quão baixo caem ao fazer uma enquete para medir o impacto eleitoral da aparição quase ao 
mesmo tempo em que assistíamos na televisão ou ouvíamos no rádio as notícias. Consideramos 
que são mais do que óbvias as respostas a estas questões: PORQUE O TEMPO TODO PROCURARAM 
ENCOBRIR A SUA RESPONSABILIDADE NA REPRESSÃO DE 1º DE AGOSTO, AQUELA EM QUE O SANTIAGO FOI 
VISTO PELA ÚLTIMA VEZ.

Da mesma forma, não queremos deixar de mencionar os setores que estavam envolvidos de uma 
forma oportunista nos reclamos, mostrando-nos esta semana o que aconteceu, que a sua 
participação nestes 80 dias de mobilização e reivindicação para com o companheiro foi 
apenas por uma questão eleitoral. Eles encheram suas bocas falando sobre Santiago pelos 
meios de comunicação, mas quando saem para a rua para mostrar a dor de sua aparição sem 
vida, eles chamaram para desmobilizar, para ficar cada um em sua casa e para tentar ganhar 
votos para a eleição de hoje, domingo 22. Eles não queriam o companheiro, eles só queriam 
isso: VOTOS, e usaram a dor da família e da angústia de um povo para consegui-los.

Queremos dizer que, apesar da aparição de Santiago, a situação das comunidades Mapuches 
não sofreu alteração. Eles foram reprimidos e perseguidos desde antes desta repressão do 
governo em 1º de agosto. As comunidades indígenas em todo o país estão sofrendo 
desaparecimentos, assassinatos e torturas pelas forças repressivas do Estado e pelos 
desserviços dos meios de comunicação, desde muito antes de Mauricio Macri e sua equipe de 
empresários fossem governo. Sua luta por suas terras e contra o avanço sobre os recursos 
naturais pelas multinacionais extrativas ainda está de pé. Sua luta contra os grandes 
latifundiários, nacionais ou estrangeiros, continua. Santiago estava em solidariedade com 
estas lutas, e ao levá-lo em 1º de agosto em Cushamen, revelou-se a repressão e 
resistência das comunidades indígenas a desaparecer.

Portanto, para aqueles que têm deitado lágrimas nestes dias de estupor; para aqueles que 
sendo frios esperavam o resultado, e ainda sentiram tristeza; para aqueles que não 
pensaram isso como um símbolo estratégico, mas sim como uma constante reflexão de que se 
tem o potencial de terem sido o mesmo tipo de vítima; àqueles que seguiram o impulso do 
motor-coração- a que atribuímos os sentimentos mais profundos; àqueles que demonstraram 
fidelidade às suas convicções e não foram levados por direções mesquinhas e incoerentes 
pelo fervor eleitoral; para aqueles que, desde que ouviram a notícia do desaparecimento se 
levantaram todos os dias pensando em Santiago; para aqueles com quem isso é compartilhado. 
Para aqueles que, neste mar de individualidades, nos une com um sentimento tão humano, 
louvável e humilde como é a empatia. Para aqueles que entenderam que o que aconteceu com o 
companheiro foi um ataque ao espírito e ao impulso solidário. A todos eles dizemos: A LUTA 
CONTINUA.

BASTA DE REPRESSÃO ÀS COMUNIDADES INDÍGENAS E AO POVO COMO UM TODO!

PARE DE PERSEGUIR AQUELES QUE SE ORGANIZAM PARA RESISTIR AO AJUSTE E EXPLORAÇÃO!

QUE A ABSTENÇÃO ELEITORAL SEJA A PRIMEIRA RESPOSTA QUE DAMOS AOS CÚMPLICES DO SAQUEIO DO POVO!

POR SANTIAGO E POR TODOS, A LUTA CONTINUA!

FORA - Conselho Federal

oficiosvarios-lomasdezamora.blogspot.com.ar

Tradução > Liberto


Mais informações acerca da lista A-infos-pt