(pt) France, Alternative Libertaire AL Novembre - "O medo mudará de lado ": um ano após a campanha feminista da AL, continue a luta (en, it, fr) [traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Sábado, 18 de Novembro de 2017 - 09:52:46 CET


Em 2016, a libertação alternativa lançou uma campanha feminista contra a violência contra 
as mulheres. Num momento em que estes são o coração da notícia, devemos lutar mais do que 
nunca contra eles e contra o patriarcado. ---- Um ano atrás, o Libertário Alternativo 
lançou sua campanha "Fear Will Change Camp" para combater a violência contra as mulheres. 
Explicativa e exigente, ela começou com um importante arquivo publicado nesta revista em 
novembro de 2016. ---- Relatório especial da Alternativa Libertária de novembro de 2016, 
como parte da campanha AL contra a violência contra as mulheres . ---- Queríamos fazer com 
que isto lutava com uma luta decididamente política e para explicar a origem dessa 
violência. Nosso caso foi, portanto, baseado no fato de que a violência sexual e sexual, 
seja em casa, no trabalho ou na rua, é uma ferramenta para dominar as mulheres e garantir 
que elas não se rebelem contra O sistema injusto em que vivemos: o patriarcado.

Resultado de um trabalho minucioso, serviu de base para a organização de muitas reuniões 
públicas de coletivos libertários alternativos em vinte cidades. Em torno de vários 
tópicos, como a violência doméstica, no trabalho ou a representação destes em filmes, 
aproveitamos a oportunidade para debater e discutir nossos feminismos. Ir para conhecer os 
moradores de nossos bairros para discutir um assunto tão pesado não é fácil, então nos 
tomamos a dificuldade de nos treinar para ouvir primeiro as vítimas.

Em Nantes, 500 pessoas demonstraram em 25 de novembro.

O destaque da campanha foi 25 de novembro. Vários coletivos promoveram ações, encontros ou 
manifestações em sua cidade, e uma procissão muito provida e dinâmica foi realizada 
durante a manifestação tradicional de Paris. Esses momentos de visibilidade no espaço 
público são sempre muito importantes. Eles nos permitem ver que não estamos sozinhos 
diante da violência, porque o coletivo nos fortalece. Eles também nos permitem gritar alto 
o que pensamos daqueles que nos atacam e da sociedade que o permite. Finalmente, eles nos 
permitem desenvolver estratégias para continuar a liderar a luta.

Nós elaboramos uma avaliação positiva desta campanha, que ajudou a cumprir os dois 
objetivos que nos propusemos: treinar e treinar nossos camaradas sobre essas questões e 
fornecer à organização um discurso claro. Note-se que isso também permitiu uma liberação 
de discurso dentro do Alternative Libertaire.

Numa altura em que as "  redes sociais  " estão cheias de depoimentos de mulheres vítimas 
de violência sexual e sexual, é mais importante do que nunca continuar esta luta ! Nossas 
energias serão usadas para construir uma luta de 25 de novembro, na rua, tão ampla quanto 
possível. Para isso, devemos construir demandas para que o discurso libertado dê à luz 
movimentos feministas militantes e vitoriosos. Por medo de mudar de lado, para ir ao campo 
dos agressores, para que nunca mais nos dominem !

Comissão anti-patriarcada da Alternative Libertarian

EQUIPAMENTO DE CAMPANHA

Problema especial do mensal (clique para encontrá-lo)
Pasta de 8 páginas adicionais. 4 euros nos bons quiosques.

Poster (clique para pedir)
Formatos 40x62 cm e 62x80 cm. 5 euros por pacote de 50 (grátis para grupos AL)

Etiqueta (clique para pedir)
Tamanho 10x14 cm. 5 euros por pacote de 100 (3,5 euros para grupos AL)

Argumentário 8 páginas (clique para pedir)
3 euros o pacote de 10 (gratuito para grupos AL)

SUPORTE DE VÍDEO

Videomontagem (clique direito, "salvar o destino do link como")
Para organizar uma discussão: violência sexista em várias obras de ficção e na realidade 
(38 minutos, 470 MB para download).
Este videocontage é uma ferramenta para trazer discussões em grupos pequenos ou grandes. O 
objetivo é trazer reflexões sobre o lugar da violência contra as mulheres na imaginação 
coletiva, promovendo a conscientização: são parte integrante da nossa cultura comum e nossa.

Os extratos desta montagem mostram várias violências físicas e morais. Os diretores os 
aprovam ou denunciam e os apresentam de forma mais ou menos flagrante, chocante e 
revoltante. De qualquer forma, a "  pequena  " ou "  grande  " violência "  mundano  " que 
são feitas diariamente para as mulheres contribuem para ameaçar e espalhar uma 
desconfiança perpétua e vulnerabilidade, porque eles são parte de uma sistema: patriarcado.

A luta pela sua destruição é indispensável. A criação de uma luta de poder feminista 
contra este sistema e aqueles que defendem isso é necessário. O medo mudará de lado.

http://www.alternativelibertaire.org/?La-peur-va-changer-de-camp-Un-an-apres-notre-campagne-feministe-continuer-le


Mais informações acerca da lista A-infos-pt