(pt) France, Alternative Libertaire AL - sindicalismo, Para mudar a indústria: ela muda de mãos (en, it, fr) [traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Sexta-Feira, 24 de Março de 2017 - 08:25:12 CET


Ao reunir 1.200 militantes, 22 de fevereiro de no congresso da indústria, CGT apreenderam 
um assunto difícil, evitando retiro para o protecionismo falsa alternativa contra o livre 
comércio. Mas ela tem, até agora identificou a questão fundamental: a propriedade privada 
dos meios de produção? Por que decidiu. ---- A desindustrialização é um três faixas de 
desastres: ---- uma catástrofe social: pelo aumento do desemprego, perda de habilidades, o 
empobrecimento de regiões inteiras; ---- uma catástrofe ecológica: a deslocalização da 
produção provoca alongamento excessivo de circuitos económicos ea proliferação de 
transporte e poluição, com um impacto sobre o aquecimento global; ---- um desastre 
democrática: uma região ou país privado de produtivo perde a sua independência económica, 
e vê correspondentemente reduzida a sua margem de manobra em questões políticas e sociais.

Sim, temos de inverter a tendência

Desde 2012, 900 fábricas foram fechadas na França, que hoje importa 60% dos seus produtos 
industriais. A participação da indústria caiu para 10% do PIB na França, que é de 16% em 
média na Europa. Nós apenas ir sob a barra de 3 milhões de empregos no setor industrial.

"Ajudar" os empregadores a contratar? Mas como? Redução dos salários? Fazendo-benefícios 
fiscais? € 28,7 bilhões em dinheiro público transferido para os empregadores em 2013-2014, 
como parte do IECC teria ajudado a criar 50.000 a 100.000 postos de trabalho (Relatório do 
Comité Ministerial de Monitorização da CICE, 29 de setembro, 2016), a um custo, na melhor 
das hipóteses, 287.000 euros por posto de trabalho criado!
Tornar a França mais "atraente"? Mas como? O país já é infra-estrutura mais equipada. 
Redução dos salários? Com a criação de zonas livres de impostos? Mais uma vez, é apenas 
para fazer presentes para os patrões.
Estabelecer tarifas nas fronteiras? Esta é novamente uma maneira de fazer presentes aos 
chefes que se digne mudar locais de produção na França ... Este mesmo empregadores que 
pede constantemente para a abertura das fronteiras e conquista de mercados estrangeiros!

Preparação de um teste de colisão da ArcelorMittal em Maizières-lès-Metz (Moselle) em 2012.

(C) ArcelorMittal

Confie os trabalhadores e trabalhadoras

Não rodeios. Não é a indústria vai mudar sem pôr em causa a propriedade capitalista dos 
meios de produção e de troca. É por isso que devemos ousar dizer. Para isso é exatamente o 
que todos silenciosos políticos keynesianas (Mélenchon, Hamon), nacionalistas (Le Pen) ou 
libertário (Macron, Fillon). Suas ações sempre voltar a "incentivar" os empregadores a 
fazer lucro desta ou daquela maneira.

O único problema real é a aquisição do aparelho industrial pelos próprios trabalhadores. 
Produzir localmente, caso contrário, dependendo das necessidades da população e não o 
mercado, expandir a cooperação e know-how, respeitando o ambiente e o trabalho coletivo, 
isto só é possível com a auto-gestão e socialização da economia.

Construir a alternativa!

http://www.alternativelibertaire.org/?Pour-relocaliser-l-industrie-Qu


Mais informações acerca da lista A-infos-pt