(pt) (CAB): Nota de apoio da Coordenação Anarquista Brasileira as/aos 35 da UNESP - Marília

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quinta-Feira, 24 de Agosto de 2017 - 06:36:01 CEST


Trinta e cinco estudantes da UNESP - Marília são vítimas de mais um processo de repressão 
contra o movimento estudantil. Com base em artigos do regime disciplinar de seu estatuto 
do período da ditadura militar a UNESP busca punir estudantes que se mobilizaram em 2015 
contra a nefasta reorganização escolar que o governo do estado de São Paulo tentou impor 
naquele ano e por pautas de permanência estudantil. O processo que se discute é claramente 
uma tentativa de reprimir e silenciar o movimento estudantil que sempre se levantou se 
levanta e continuará se levantando pelas pautas de acesso e permanência das e dos de baixo 
e por uma educação pública de qualidade. ---- A Coordenação Anarquista Brasileira (CAB) 
manifesta seu absoluto repúdio a direção da UNESP - Marília, que tem tomado pra si a 
tarefa de ser o chicote da Reitoria e do governo do estado contra estudantes, mas também 
contra trabalhadoras/es terceirizadas/os, servidores técnico-administrativos e docentes. 
Tal postura repressiva é uma prévia dos ataques que nos aguardam, pois toda repressão visa 
à desarticulação, a coação e a criação de um clima de imobilismo necessário a um contexto 
de ataques a educação, corte de direitos e precarização das condições de estudo e trabalho.

Os inúmeros processos de sindicância abertos contra estudantes motivados por processos de 
mobilização atingem as três estaduais paulistas e a maioria das universidades brasileiras 
com movimento estudantil ativo. A escalada repressiva contra aquelas/es que se colocam em 
luta pode ser observada nacionalmente com diversas ações repressivas, dentre as quais 
destacamos o desligamento arbitrário de Lorena Castilho, militante da Federação Anarquista 
Gaúcha e estudante da UFRGS. Caso emblemático da lógica de criminalização dos movimentos 
sociais e de perseguição política e ideológica que remonta o modus operandi de 
instituições ditatoriais.

Rodear de solidariedade as/os que lutam, é o que pede o momento, pois é por meio da 
organização e mobilização estudantil, com apoio dos demais segmentos da universidade, de 
movimentos, organizações, veículos de mídia independente é que será possível pressionar a 
direção para o encerramento do processo de sindicância sem punições ao movimento 
estudantil. Tendo isso em mente, a CAB manifesta total apoio as/aos estudantes 
sindicadas/os e defende o encerramento imediato deste processo arbitrário, antidemocrático 
e persecutório.

RODEAR DE SOLIDARIEDADE AS/OS QUE LUTAM

LUTAR NÃO É CRIME

https://anarquismo.noblogs.org/?p=825


Mais informações acerca da lista A-infos-pt