(pt) [Itália] Livorno: Contra as imposições do governo, contra os cortes. Lutamos pela saúde! By A.N.A.

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quarta-Feira, 9 de Agosto de 2017 - 08:34:48 CEST


Folheto difundido estes dias em Livorno no banquete realizado nas Escalas do Refúgio ---- 
O decreto sobre as vacinas lançado pelo governo não é que senão outra medida - desta vez 
particularmente odiosa - com o qual você está entre a autoridade ou a escolha livre, se 
impõe comportamentos e terapias, se limitam direitos, disciplinando a vida dos indivíduos, 
exasperando as formas de controle. ---- A desculpa deste novo ato de autoridade é, mais 
uma vez, a da emergência. Na verdade, também para esta medida é levantada a segurança 
emergencial que tanto funciona em qualquer caso, quando falamos de imigrantes, de guerras 
ou, precisamente, de saúde e doenças. No entanto, apesar da ciência sobre a qual as 
medidas do governo se baseiam, o número de vacinas é reduzida para dez, a vacinação 
"antimeningite" é excluída quando esta doença parece representar uma emergência. Medidas 
caóticas, livres de lógica e responsivas apenas ao interesse político de impor o 
autoritarismo e o interesse econômico das multinacionais farmacêuticas.

Enquanto isso, o governo e as forças políticas que tanto cuidam da nossa saúde e da 
vacinação de profilaxia, cortam a tudo o que diz respeito a saúde, impondo políticas de 
austeridade que produzem um agravamento geral da saúde da população. Enquanto isso a 
contaminação, a insalubridade e verdadeira falta de segurança causam danos à nossa saúde, 
o sistema nacional de saúde é desmantelado: serviços e benefícios para a saúde com tempos 
e custos inaceitáveis; Mais e mais pessoas são forçadas a desistir de se cuidarem, porque 
não têm o dinheiro para fazê-lo; os serviços são ausentes ou impraticáveis, tais como IVG 
(aborto) limitados por objetores (estes ao menos não estão contaminados!)

Não é verdade que os cortes são uma necessidade imposta pela dívida pública, a crise, os 
recursos que não estão lá. É uma escolha política dos governos, de todos os governos. O 
dinheiro está lá: quando você tem que salvar os bancos (20.000.000.000 foram para isso 
alocados), quando você tem que apoiar as despesas militares (80.000.000 por dia)

Desde que os cortes da saúde pública começaram há aproximadamente 20 anos, as clínicas 
privadas e os ambulatórios do serviço nacional de saúde aumentaram progressivamente, 
oferecendo frequentemente prestações mais curtas e às vezes mesmo com custos mais baixos 
do que o público. E embora não seja um fato sublinhar a ineficiência do setor público, as 
clínicas privadas, uma grande parte dos quais são geridas pela Igreja, são exaltadas a 
aumentar suas vantagens nos negócios em detrimento da tributação pública. O corte em 
impostos corporativos e políticas similares tem como única consequência a abolição dos 
serviços públicos, substituído por empresas geridas por particulares, cujo único propósito 
é o lucro e não a saúde. Desta forma, a saúde é subordinada aos lucros dos particulares.

A oposição ao Decreto Lorenzin pode ser uma oportunidade para colocar a saúde no centro do 
debate público, para reivindicar a livre escolha de terapias, mas também um serviço de 
saúde que sirva a todos e seja livre e acessível.

Federação Anarquista de Livorno

Coletivo Anarquista Libertário

Nota: É necessário esclarecer que a Itália é hoje uma das principais rotas de imigrantes, 
fugidos das guerras, instabilidades políticas, etc.

Fonte: 
https://collettivoanarchico.Noblogs.org/post/2017/07/29/contro-Le-imposizioni-del-Governo-contro-i-Tagli-lottiamo-per-la-Salute/

Tradução > Liberto


Mais informações acerca da lista A-infos-pt