(pt) alianca-anarquista: Manifesto da Aliança Anarquista

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Terça-Feira, 6 de Setembro de 2016 - 11:43:59 CEST


Estrutura do Manifesto 1) INTRODUÇÃO .1 ---- 2) CONJUNTURA .2 ---- 2.1) CRISE DA SOCIEDADE 
CAPITALISTA...2 ---- 2.2) CRISE DA SOCIAL DEMOCRACIA .5 ---- 3) MÉTODO DE ANÁLISE 
MATERIALISTA DIALÉTICO .7 ---- 4) NECESSIDADE DA ORGANIZAÇÃO...9 ---- 4.1) DIVERGÊNCIA COM 
AS ATUAIS CORRENTES PRÓXIMAS DO ANARQUISMO..11 ---- 4.1.1) AUTONOMISMO.11 ---- 4.1.2) 
ESPECIFISTAS..14 ---- 4.2) DIVERGÊNCIAS COM MARXISTAS...15 ---- 5. CONCLUSÃO..18 ---- 1 
---- Manifesto da Aliança Anarquista ---- 1) INTRODUÇÃO ---- Neste 1º de maio tornamos 
público este manifesto que nasce dos anseios da militância
comprometida com a luta de classes. Muito nos angustia o fato de termos que nos lançar no 
desafio de iniciar uma organização em pleno 2015. Para nós, o hiato existente entre as 
organizações que fundaram as linhas fundamentais do anarquismo e as atuais organizações 
conhecidas por esta insígnia - mas que abandonam toda e qualquer responsabilidade 
revolucionária - é um desafio que precisa ser urgentemente superado.

O que pode ser lido como dificuldade passa a ser compreendido
por nós como uma singular oportunidade de, em uma conjuntura de acirramento da luta de 
classes,
recolocar o anarquismo na construção de um programa revolucionário da classe trabalhadora.
Este manifesto não é o primeiro esforço do movimento anarquista em livrar-se do espectro
da desorganização e ineficácia, e por isso fazemos coro com os companheiros anarquistas que
lançaram em 1926 a Plataforma Organizacional. E como apresentado desde lá, sabemos que é
previsível o quão atacados seremos pelos setores que reivindicam o caótico "anarquismo"
individualista e suas filiais. Mas a nossa esperança repousa na classe trabalhadora e na 
juventude
combativa, pois de seu interior nunca faltaram militantes comprometidos com a luta de classes.
As linhas que seguem abaixo abrangem os pontos fundamentais desta organização que
chamamos de Aliança Anarquista. São os pontos centrais dos quais partimos e temos acordo 
prático
e teórico, embasados em nossa trajetória política. Sabemos das limitações deste nosso 
manifesto e
que muito ainda está para ser construído, mas também compreendemos que o anarquismo não deve
ser visto como uma panaceia que resolverá todos os problemas da vida moderna, mas sim como um
projeto que se compromete a levar o conjunto da classe à revolução social, à tomada dos 
meios de
produção e a conformação do poder proletário.
Com isso, convocamos todas as pessoas, que queiram alinhar a sua vida com o
compromisso e a responsabilidade militante de construir e pôr em prática um programa 
socialista
anarquista, para que aceitem o desafio de impulsionar esta organização.
2) CONJUNTURA
2.1) CRISE DA SOCIEDADE CAPITALISTA
Estamos, novamente, em um momento da história de extrema importância para a luta de
classes. Como se observa a partir do percurso da humanidade, a oscilação e a modificação são
2
Manifesto da Aliança Anarquista
constantes em seu desenvolvimento; as tempestades e bonanças se alternam, ora propiciando uma
condição de calmaria e estabilidade, ora colocando em relevo as contradições de sociedades
específicas. Assim ocorreu com os modos de produção asiático, escravista e feudal, bem 
como com
o capitalista. Entre prosperidades e crises este se desenrolou às custas da classe 
trabalhadora e
contra ela, fazendo da exploração do trabalho alheio seu principal pilar de sustentação. Segue
extraindo dos trabalhadores os produtos de sua atividade e atirando sobre estes as 
consequências das
instabilidades econômicas. Assim experienciamos em diversas ocasiões: quando a crise 
chega, são
nossos salários e empregos os afetados imediatamente.
Assim, a situação que vivenciamos no Brasil no presente momento não poderia ser
caracterizada de outra forma que a de aprofundamento de uma crise. Ao final do ano passado 
e no
início desse ano, o que se viu foram sucessivos ataques ao conjunto da classe 
trabalhadora; cada vez
mais intensos e agressivos. De um lado, sentimos os arrochos salariais e demissões em massa -
sejam elas diretas ou por meio de Planos de Demissões "Voluntárias" - e de outro, notamos
ofensivas mais difusas, que visam assolar de uma só vez o conjunto dos trabalhadores com o
aumento generalizado do custo de vida - expressos principalmente nas contas de água, luz, nas
tarifas de transporte público e a tentativa escancarada de pôr fim aos direitos mínimos 
conquistados
com muitas lutas - que encontra no PL 4330, da terceirização, sua expressão mais nefasta.
Todos esses ataques - praticados a partir da articulação orgânica entre Estado e burguesia -
nada mais são do que um único golpe que tenta despejar sobre os nossos ombros todo o ônus de
uma crise que nós, trabalhadores, não criamos.
Ao mesmo tempo, notamos a instauração da crise a partir da própria retomada e
intensificação da luta de classes - inerente à sociedade capitalista -, que aparece 
justamente como
reflexo das tentativas cada vez mais explícitas de nos encurralar. Os levantes de junho de 
2013,
quando os aumentos das tarifas de transporte público foram barrados em diversos estados, podem
ser lidos como marco de um crescimento cada vez maior do número de greves que vinham
ressurgindo desde meados da primeira década dos anos 2000. A vitória concreta das mobilizações
de junho colocou para todos os trabalhadores do país um ponto de visível possibilidade de 
vitória
frente aos ataques que vínhamos sofrendo e não conseguíamos responder. É justamente por 
isso que
este movimento desencadeou rapidamente diversos outros, que tiveram expressões efetivas na 
greve
dos garis do Rio de Janeiro, do metrô e de professores do município de São Paulo, bem como dos
trabalhadores da USP, todas essas ocorridas ainda no ano de 2014. E que ainda já se faz 
perceber
este ano em lutas como a dos professores do estado do Paraná, dos metalúrgicos do ABC 
paulista e
3
Manifesto da Aliança Anarquista
de São José dos Campos, dos operários da Comperj e dos professores do estado de São Paulo. 
Todas
elas marcam uma reorganização da classe trabalhadora e o início de um novo ciclo de lutas
intensificadas. A diferença qualitativa das jornadas de 2013 pras lutas de 2015 é o retorno do
protagonismo da classe trabalhadora organizada a partir de seus locais de trabalho e 
através de suas
próprias organizações históricas de resistência - sindicatos, comitês locais e comandos de 
greve.
Este novo período de acirramento da luta de classes joga por terra todas as teorias acerca
da extinção da classe trabalhadora, sob argumento das novas reconfigurações do mundo do
trabalho. As greves de terceirizadas dos setores de limpeza, de telemarketing, bem como as 
mais
recentes paralisações de trabalhadores de fast-food provaram o que não precisava ser 
provado: que
se a burguesia e o Estado mantém condições de exploração, a classe trabalhadora também é capaz
de se reorganizar e retomar suas ferramentas históricas de luta.
A atual conjuntura explicita, então, duas crises - que se articulam e estão intimamente
relacionadas. Uma é a crise econômica propriamente dita que se coloca de maneira cada vez mais
evidente entre o fim do ano passado e o início de 2015 e se cristaliza tanto nos ataques 
diretos -
através da ofensiva nos salários e empregos - como nos ataques indiretos e generalizados - 
hoje
colocados principalmente pelas MP's 664 e 665 que limitam ainda mais os abonos, seguros
desemprego e auxílios doença e o PL 4330 da terceirização.
Outra é a crise política que tem se arrastado há muitos anos, mas ganhou novo relevo a
partir do período de recessão econômica e tem se materializado por dois caminhos principais. O
primeiro pelo total desgaste do aparato institucional burguês, que não canaliza mais os 
anseios do
conjunto da classe trabalhadora, verificado principalmente pelos altos índices de 
abstenções e de
votos brancos e nulos nas eleições a nível estadual e federal ocorridas no ano passado, como
também pelos índices de desaprovação a diversas gestões do Estado com o crescente número de
greves do funcionalismo público - que em grande parte tem como inimigo direto um burocrata
estatal, seja ele a nível municipal, estadual ou federal. E o segundo pelo constante 
movimento de
superação das direções tradicionalmente burocráticas e atreladas ao Estado e a patronal 
nas lutas de
trabalhadores. Como se observou intensamente em greves como a dos professores do município do
Rio de Janeiro em 2013, dos garis do Rio de Janeiro de 2014 e dos rodoviários de São Paulo
também no ano passado, e como se pode observar constantemente em assembleias de diversas
categorias, quando é constatado o desgaste dessas direções que, encurralados pelo antagonismo
inconciliável dos interesses dos estatistas de seus partidos com os interesses de suas 
próprias
categorias,não mais conseguem responder à sua base.
4
Manifesto da Aliança Anarquista
Estas crises somadas - política e econômica - remontam ainda a uma outra, esta que não se
coloca a nível social com a mesma expressividade das duas, mas que tem íntima relação com 
elas,
por se tratar da crise do projeto político que nos colocou no momento em que nos encontramos
agora, tanto porque gerenciou o Estado burguês nos últimos doze anos, quanto porque se 
apresentou
durante quase trinta anos como o projeto político da classe trabalhadora brasileira: a 
crise do PT e
da social-democracia.
2.2) CRISE DA SOCIAL DEMOCRACIA
O projeto político socialdemocrata, que se expressa em nossas terras principalmente no PT,
está sangrando. O "sangramento" do PT deve ser entendido como uma mera gota de sangue na
incurável ferida aberta que aflige a socialdemocracia petista e mundial. A culpa por essa 
situação
moribunda é, acima de qualquer outro fator, tanto das próprias limitações políticas do projeto
socialdemocrata, quanto de transformações político-econômicas na ordem capitalista global.
O horizonte do projeto socialdemocrata é a constituição de um Estado de bem-estar social
através de diversas reformas. Dá-se um total abandono de uma perspectiva revolucionária e, 
tirada
esta do quadro, o importante torna-se conseguir reformas afim dos trabalhadores sofrerem uma
exploração mais amena. Em outras palavras, permuta-se o socialismo por um capitalismo de 
bemestar,
humanizado, conformando-se assim a aceitação fatalista da permanência talvez eterna do
regime capitalista e estatista. O importante torna-se, então, lutar tão somente por melhorias
imediatas e imediatistas, sem qualquer necessidade de um horizonte revolucionário concreto. O
projeto socialdemocrata leva a lógica da miséria do possível ao seu cúmulo.
A partir da década de 1980, o projeto socialdemocrata terá um crescimento vertiginoso,
hegemonizando a esquerda ocidental, e instaurando reformas em diversos países da Europa.
Situação esta que possibilitou a execução de programas de reformas democráticas, consolidando,
assim, efetivos Estados de bem-estar social. Na Europa ocidental quase que como um todo
estabeleceu-se um amplo leque de serviços e direitos à classe trabalhadora garantidos 
diretamente
pelo aparato estatal.
Já no Brasil, ainda que a classe trabalhadora tenha igualmente abraçado o projeto
socialdemocrata - conformando já em fins da década de 70 e inicio da década de 80 o 
Partido dos
Trabalhadores, principalmente a partir da militância do "novo sindicalismo" da CUT, 
estudantil da
5
Manifesto da Aliança Anarquista
UNE, de pastorais católicas e de intelectuais progressistas - este só chegará ao poder 
duas décadas
depois, em 2002 com a eleição de Lula. Mas,diferente do caso europeu, o Estado de bem-estar
social nunca chegou a ser uma realidade em terras brasileiras - mesmo a política aplicada 
pelos
governos de Lula e Dilma são melhores caracterizadas como liberal-desenvolvimentistas do que
como socialdemocratas, ainda que no nível do discurso tenha mantido-se essencialmente neste
campo.
Afim de compreender tanto a crise do Estado de bem-estar social europeu quanto a
contradição entre o discurso social reformista do PT e sua prática política pouquíssimo 
diferente dos
governantes precedentes, faz-se necessário pontuar duas questões que se colocam como premissas
para o estabelecimento de um Estado de bem-estar social através de um projeto político
socialdemocrata.
Primeiramente, dado as leis de funcionamento do capitalismo monopolista, para um Estado
poder oferecer direitos e condições de trabalho melhores do que o padrão de vida médio da 
classe
trabalhadora global, faz-se necessário que este ocupe um lugar central na atual partilha 
imperialista
do mundo. Em outras palavras, faz-se necessário que ele concentre boa parte da mais-valia 
mundial.
Em segundo lugar, igualmente é necessário uma certa estabilidade econômica e política mundial.
Ou seja, é necessário que o pacto que determina a partilha imperialista do mundo esteja num
momento estável.
A primeira premissa (ainda mais somada à segunda) nos ajuda a entender por exemplo, a
enorme distância entre o discurso socialdemocrata petista e sua prática 
liberal-desenvolvimentista,
dado que é simplesmente inviável a constituição de um estado de bem-estar social no Brasil - a
menos, é claro, que este se torne uma potência imperialista mundial, o que não parece estar na
ordem do dia. Independente do discurso socialdemocrata repetido exaustivamente pelo 
petismo, sua
política efetivamente passou longe disso. Caracterizou-se como um misto de liberalismo, com
desenvolvimentismo. Dada a material impossibilidade de caminhar rumo ao estado de bem 
estarsocial,
o PT acabou por se construir com políticas assistencialistas voltadas aos setores mais
marginalizados da sociedade, por um lado, e por outro, mantendo as políticas para a alta 
burguesia
com os ataques a ampla parcela da classe trabalhadora. Mais recentemente, inclusive, mesmo 
esses
poucos, limitados e frágeis programas assistencialistas estão sendo colocados em xeque com o
aprofundamento da crise econômica - com a escalada da inflação, o valor real de bolsas
assistenciais, como o bolsa-família, vão pelo ralo. Paralelamente a este recuo nos 
programas sociais
petistas, os ataques à classe trabalhadora em seu conjunto são intensificados cada vez 
mais: seja
6
Manifesto da Aliança Anarquista
através de Medidas Provisórias oriundas do próprio governo, como a 664 e a 665 - que 
restringem e
precarizam alguns direitos trabalhistas como o seguro desemprego - seja através de 
projetos de leis
como o 4330 - que abre a possibilidade de terceirização de atividades-fim. Também se nota que
foram exatamente as verbas destinadas à expansão das universidades públicas federais as 
primeiras
a serem brutalmente cortadas neste segundo governo de Dilma.
Já a segunda premissa, ajuda-nos a compreender a crise da socialdemocracia europeia: ela
é resultado imediato da crise capitalista global e da reorganização da partilha do mundo 
entre as
potências imperialistas / empresas monopolistas. Vitórias eleitorais, como a do Syriza na 
Grécia, ou
uma possível vitória do Podemos na Espanha, são completamente incapazes de alterar essa 
situação
estrutural.
O sangramento do PT é certo, inevitável, incontornável e independe do latido de outros
estatistas. E, para aqueles que não compactuam com o projeto socialdemocrata, é de alguma
maneira desejável, pois abre espaço para e impõem a necessidade de constituição de projetos
políticos outros - que melhor se adequem à conjuntura contemporânea e ao território que 
habitamos
e consigam, assim, dar respostas que apontem para uma solução efetiva dos problemas que 
assolam
a nossa classe. Solução a qual inexoravelmente passa por uma revolução social.
3) MÉTODO DE ANÁLISE MATERIALISTA DIALÉTICO
As divergências entre anarquistas e marxistas foram colocadas e debatidas desde quando o
movimento operário ainda iniciava. Desde a Associação Internacional dos Trabalhadores, e a
disputa centrada ao redor das figuras de Bakunin e Marx, acompanhamos o distanciamento 
entre as
duas correntes -muitas vezes consideradas praticamente como opostas entre si. Apesar de
entendermos a necessidade dessa distinção - que não se centra somente em picuinhas ou mal
entendidos - acreditamos que esta por vezes provocou resultados muito perniciosos à nossa 
corrente
política. Entre estes, deve-se citar o abandono de uma perspectiva materialista-dialética 
de análise
por grande parte das organizações anarquistas. Ao renunciar este método, taxando-o de algo 
como
fruto de uma linha "autoritária", ou como um método mecanicista, determinista e teleológico,
acreditamos que não só se cometeu um grande erro, como, no limite, condenou o anarquismo à
ineficiência política. Defesas de diferenciações abstratas entre ideologias e teorias, e 
de percepções
mais fluidas e adaptadas a um contexto que supostamente estaria além do capitalismo, pouco nos
7
Manifesto da Aliança Anarquista
fizeram avançar, assim como são causa e expressão de grande parte de nossa dispersão atual.
Todas essas negações tem como resultado último o que hoje enfrentamos: a ausência de
método capaz de colocar o anarquismo no lugar que deveria estar; no centro da luta de 
classes e
com um papel preponderante e de grande influência. Além do fato de expressarem o total
comodismo que, perdido atualmente em divagações e disputas infantis, prefere um isolamento
dogmático e sectário - inclusive com relação ao próprio operariado - a aproveitar um 
método que
muito avançou em dar respostas à luta dos trabalhadores, fazendo as devidas modificações e
correções que se fizeram e fazem necessárias.
Não tememos em afirmar que a teoria que buscamos projeta nossos anseios e objetivos,
bem como delineiam nossas táticas e estratégias, e que essa teoria tem como pressuposto o
materialismo-dialético. Fazemos assim, pois não só observamos, como sentimos a contradição 
entre
capital e trabalho, burguesia, Estado e proletariado, em nosso dia-a-dia com toda a sua
materialidade. Fazemos assim, pois por mais "complexas" e "adaptadas" que sejam as "novas"
teorias, estas não colocam o cerne da questão; não colocam o dedo na ferida e, por isso, 
não são
capazes de dar respostas aos desafios colocados para nós na atual conjuntura - situada 
ainda em
uma sociedade regida pelo modo-de-produção capitalista. Ou seja, encontramos no 
materialismodialético
um de nossos referenciais, pois compreendemos que a luta de classes é sim o fator
essencial no mundo de hoje, e que a atuação anarquista deve agir justamente sobre ela e 
junto à
classe trabalhadora.
Nesse sentido, buscamos a teoria para orientar a nossa prática e enxergamos nossa prática
como o teste último de nossa teoria, sem fazer distinções mecânicas e platônicas entre ambas.
Afinal, não procuramos a contemplação ou a abstração absolutas, mas a real e efetiva 
intervenção
nos rumos da sociedade atual, tendo como fim a revolução social da classe trabalhadora, ou 
seja,
estabelecendo uma relação dialética entre ideia e matéria, fazendo da última o critério de 
verdade da
primeira. A ausência desse atrelamento entre teoria e prática, e a quase total abstenção de
desenvolvimento teórico visando à militância revolucionária, é para nós um dos principais 
fatores
que relegaram o anarquismo à irrelevância, tendo de ser combatida partir de uma formulação 
teórica
precisa e de peso imediatamente.
Partimos do materialismo-dialético para o início dessa empreitada. Reafirmando algo que
jamais deveria ter saído da cabeça e dos corações anarquistas: a centralidade da classe 
trabalhadora
como sujeito revolucionário contra o capitalismo. Fazendo deste um primeiro passo, e 
avançando na
identificação precisa de nossos inimigos, que para nós se materializam em duas classes: 
capitalistas
8
Manifesto da Aliança Anarquista
e estatistas. Pois, se por um lado cabe principalmente aos patrões os ataques imediatos à 
classe
trabalhadora, é relegado ao Estado a responsabilidade de garantir a manutenção da relação 
de maisvalia,
a de infligir os ataques mais difusos e gerais, quando não fazer o próprio papel de patrões -
como é o caso para o funcionalismo estatal em geral - e se responsabilizar ainda por manter a
ordem social burguesa com a repressão sistemática aos movimentos de resistência. Assim, 
percebese
tanto um entrosamento orgânico entre esses dois segmentos da sociedade, como se pode explicar
a degeneração das diversas revoluções que ocorreram ao longo do século XX que, apesar de terem
atacado pilares centrais da burguesia, ao não porem fim ao Estado retrocederam aos poucos ou
rapidamente.
Posto dessa forma, reservamos ao materialismo-dialético um lugar de destaque em nossa
teoria e em nossa formulação tática, estratégica e programática. Dando centralidade às 
relações
sociais que garantem a manutenção e a reprodução da vida em sociedade colocando assim, de um
lado aqueles que sustentam a exploração - o Estado e a burguesia - e de outro, a classe com
capacidade de levar a cabo a revolução social internacional, que tem a real capacidade de 
combater
de frente o modo-de-produção atual e construir uma nova sociedade sobre outras bases: a classe
trabalhadora como detentora dos meios de produção.
4) NECESSIDADE DA ORGANIZAÇÃO
O que hoje no Brasil é conhecido poranarquismo sofre um grave vício histórico. Um vício
que assola e gera um único fruto: sua inexpressividade. Evidenciada, principalmente,quando se
apresenta a seguinte pergunta: Qual a inserção do programa anarquista nos movimentos e nas
entidades da classe trabalhadora?
As organizações próprias da classe seguem esvaziadas de uma presença anarquista
significativa e organizada, relegando a experiências pontuais um projeto que deve ser - e será
-maior.
Não afirmamos que não existem companheiras e companheiros que se identificam com o
anarquismo nos mais diversos locais de trabalho, mobilizados e agindo nas suas categorias e
sindicatos na luta contra os patrões, o Estado e as burocracias sindicais pelegas ou 
patronais. Ou
ainda que estes não constroem as greves de suas categorias, não se encontram nos piquetes 
e não
enfrentam a repressão do Estado e da patronal. Não se trata disso. Não se trata da 
disposição de luta
9
Manifesto da Aliança Anarquista
de camaradas que reivindicam o anarquismo. Não se trata, tampouco, da inexistência de
companheiros que, ainda que não se identifiquem com o anarquismo, travam uma militância
classista, combativa e compromissada que, a nosso ver, é sim compatível com um programa
revolucionário de viés anarquista.
Trata-se do fato de que estas e estes estão, em sua maioria, desorganizados ou articulados
em organizações com programas, a nosso ver, problemáticos. A ausência de uma organização 
leva à
inexpressividade e à nulidade política em termos práticos - restringindo-se a intervir em 
âmbito
local e ainda assim de forma limitada. A realidade é que, atualmente, somos impotentes 
para superar
a capacidade organizativa de outros partidos e organizações inseridos em nossas 
categorias. Essas
organizações de variados recortes ideológicos, efetivamente possuem relevância na direção dos
movimentos dos trabalhadores como um todo, pois apresentam seus programas às categorias nas
quais estão inseridas e estes são abraçados pela classe. Se a militância anarquista não 
conseguiu se
organizar para apresentar um programa para a classe trabalhadora que pudesse travar o embate
necessário com os demais programas socialistas, a responsabilidade é toda das próprias 
pessoas que
reivindicam o anarquismo.
É nossa a culpa por não termos uma organização consolidada, com capilaridade, inserida
nas mais diversas trincheiras da luta de classes, com um programa revolucionário coeso e 
coerente
que possa ser apropriado, fortalecido e construído pelas diversas categorias e levado 
adiante pela
classe trabalhadora.
A luta de classes impõe a necessidade da organização da vanguarda militante em um
organismo que tenha como horizonte um programa anarquista revolucionário. Sem medo das
palavras, é preciso romper com o revisionismo - que jogou o anarquismo e a revolução social às
traças - e recuperar a força das organizações nascidas no seio da classe trabalhadora, e 
com o nome
que lhes cabe historicamente. Poderíamos aderir a qualquer eufemismo que fosse mais 
palatável às
influências pós-modernas, mas seremos aqui - como em nossa prática - responsáveis com o nosso
projeto político.
Este projeto é a construção de um partido que seja capaz de dirigir a luta organizada dos
trabalhadores. Um partido que incorpore a vanguarda da classe trabalhadora disposta a pôr em
prática o programa anarquista. Que aglutine em seu interior os elementos militantes dos mais
diversos setores da classe, ao redor de uma unidade tática, estratégica, programática e 
teórica e sob
o compromisso básico da responsabilidade coletiva e da disciplina revolucionária.
Urge a formulação deste programa, que, tendo suas origens na materialidade da luta de
10
Manifesto da Aliança Anarquista
classes e sua aplicabilidade na mesma, seja abraçado pelo conjunto de nossa classe e 
levado adiante
por esta.
Não defendemos um partido eleitoreiro. Devemos aglutinar as companheiras e os
companheiros mais presentes em suas respectivas categorias, compromissados nos processos 
de luta
e que sejam capazes de mobilizar o conjunto dos trabalhadores. Devemos criar um partido de
vanguarda. Não a pretensa e autodefinida vanguarda intelectual, apartada da organicidade 
da luta de
classes, mas sim a vanguarda nascida no seio do enfrentamento entre trabalhadores e 
capitalistas,
forjada naquele que é o seu local central de atuação.
Surgindo da experiência militante e da constatação material de que é necessária a criação
desta organização, a Aliança Anarquista deverá levar a cabo, no interior da classe 
trabalhadora,
através da organização, da ofensiva e das ferramentas historicamente consolidadas pelos
trabalhadores em luta, um programa capaz de corresponder aos anseios da classe, e assim 
cumprir
sua tarefa revolucionária.
4.1) DIVERGÊNCIA COM AS ATUAIS CORRENTES PRÓXIMAS DO
ANARQUISMO
Bastante já foi apresentado neste manifesto acerca das debilidades atuais do que se coloca
como anarquismo, mas nós não somos os únicos a perceber a necessidade de organização. Desta
forma existem no cenário político de espectro anarquista principalmente duas linhas de 
atuação que
achamos relevante pontuar nossas discordâncias, para explicar por quê sustentamos que elas 
não são
suficientes para dar as respostas ao acirramento da luta de classes e orientar um projeto
revolucionário. Uma denominada como autonomismo e outra como especifismo.
O questionamento a estas linhas não repousa em uma crítica individual às pessoas que as
compõem. Sabemos que o coração dos companheiros bate à esquerda, e que há muita militância
compromissada em ambas as linhas políticas, mas identificamos pontos problemáticos nestas que
acabam servindo de entrave para a potência política dos próprios companheiros nelas 
inserida. A
este manifesto cabe apenas apresentar as divergências que temos com estas linhas 
políticas, a fim de
deixar explícito as razões que nos levam à criação da Aliança Anarquista e a não 
incorporação em
qualquer uma das organizações existentes.
11
Manifesto da Aliança Anarquista
4.1.1) AUTONOMISMO
Insere-se nesta definição, no cenário brasileiro, basicamente os coletivos e indivíduos
inspirados pelos movimentos anti-globalização. Estes movimentos surgem com uma geração
fortemente solapada pelas derrotas das revoluções socialistas do século anterior e que são 
marcadas
pelo ascenso do neoliberalismo. Não à toa estes movimentos eclodem apartados da classe
trabalhadora como sujeito revolucionário e repousam a sua espinha dorsal apenas na juventude
rebelde. Neste mesmo momento ainda se vivia o impacto mundial da derrota da greve de quase um
ano dos mineiros na Inglaterra - esta que parecia o último sopro de esperança da classe 
frente ao
avanço cada vez mais violento de um sistema capitalista que buscava se reerguer das crises 
dos anos
anteriores - e o fim do socialismo real com a queda do muro de Berlim e o fim da União 
Soviética.
Não cabe a este manifesto discorrer largamente sobre o que foram estes "movimentos 
antiglobalização",
mas analisar como estas influências ditam atuações políticas de alguns coletivos até
hoje.
Parece que as heranças de um autonomismo que teve suas primeiras reuniões nas sedes de
organizações muito próximas ao PT, não deixou para trás em nenhum momento os vacilos
reformistas e socialdemocratas. A organização em coletivos temáticos deixa explícito o 
abandono
de uma compreensão geral da raiz dos problemas e acaba fazendo, ainda que involuntariamente,
coro às vertentes crentes de que o possível é tão somente chegar a um "capitalismo 
humanizado",
fruto do acúmulo de reformas. Esta atuação evidencia uma posição política que coloca o
capitalismo como vencedor e o socialismo como inatingível.
Esta posição derrotista frente ao capitalismo leva todos os coletivos autonomistas a atuar,
ora exigindo reformas encerradas em si mesmas, ora atuando de forma completamente isolada
apenas entre um restrito grupo de pessoas. Seja o caminho que o coletivo opte por trilhar, 
é ponto
comum no autonomismo recair suas atuações para os campos culturais e comportamentais. A
fraqueza teórica, a descrença na classe e na necessidade de derrotar o capitalismo - não 
no mundo
das ideias, mas concretamente - e a inexistência de um partido com um programa 
revolucionário são
as demonstrações de um projeto político que precisa ser superado.
Sabemos que há, no cerne do movimento autônomo, uma compreensão real da necessidade
de articulação de todos estes grupos que atuam isolados em seus próprios temas. Desde-o 
seu início,
nos idos da década de 1990 até hoje, existem incansáveis tentativas de manter as dezenas de
12
Manifesto da Aliança Anarquista
coletivos articulados para que tentem traçar caminhos conjuntos. Mas estas tentativas foram
frustradas, são frustradas e, ao que tudo indica, continuarão sendo. Acreditar em atuações 
isoladas,
que não são articuladas estruturalmente no mesmo projeto estratégico e tático é não 
perceber o que
a prática já deixou explícito: a ausência de um programa, de um método de análise sólido e o
abandono da militância nos movimentos da classe trabalhadora e da sua juventude combativa, 
leva
inevitavelmente o autonomismo para as eternas rodas de conversa sobre experiências que 
morreram
em si mesmas, ou que até hoje estão reunidas em um projeto que, infelizmente, não sabe como e
aonde quer chegar.
Apesar de algumas vezes caminharem no sentido de compreender a necessidade material
de uma organização bem consolidada, o sectarismo intrínseco a estas agrupações fazem com que,
além de rechaçarem uma organização sólida própria, coloquem no campo do inimigo toda e
qualquer organização que não seja sua imagem e semelhança. Este vício sectário é, para nós, um
dos problemas centrais.
A incapacidade de compreender as diferenças entre as diversas organizações do campo da
própria esquerda demonstra uma total superficialidade e desconhecimento das dinâmicas e
organizações da classe trabalhadora, e levam ao rechaço - por parte dos autonomistas - das 
próprias
organizações da classe. Ao ser incapaz de separar a crítica às direções burocráticas e/ou 
patronais
dos sindicatos, o movimento autônomo rechaça o próprio sindicato - quando não a categoria como
um todo. Ao não aceitar que organizações podem ter avaliações diferentes sobre quais os passos
para a destruição do capitalismo e que é no debate e na disputa aberta que os programas se 
chocam
e avançam, o autonomismo coloca-se em um lugar de superioridade iluminada. Esta mesma
superioridade iluminada que dizem combater quando rejeitam qualquer definição de vanguarda.
Quem mais, se não o próprio capital e o Estado, possui interesses em organizações soltas,
"fluidas", que se reúnem no pico de algumas mobilizações e depois não conseguem se manter
organizadas? A quem interessa estas limitações que fazem com que uma enorme vontade de 
destruir
o sistema capitalista seja diluída em frágeis palavras de efeito em redes sociais e 
publicações que
pairam apenas no nível do imaginário, e não conseguem colocar os pés no chão e reconhecer 
que a
rebeldia encerrada em si mesma simplesmente não alcança o objetivo final? A descrença na
possibilidade da revolução socialista faz com que os companheiros criem ilhas de 
sobrevivência em
meio ao capital, mantenham entre seu círculo de amigos práticas "alternativas" e abandonem
completamente os milhares de outros trabalhadores que, por condições materiais, não podem 
se dar
ao luxo de viver numa suposta sociedade alheia ao sistema. Para que algumas dezenas possam
13
Manifesto da Aliança Anarquista
sustentar um padrão de vida "underground", centenas de milhares de trabalhadores continuam
escravos de um sistema que só os remunera para que continuem vivos e possam seguir produzindo
para o benefício dos donos dos meios de produção.
Repleto de muitas vontades, o autonomismo, apaixonado por si mesmo, jamais conseguirá
intervir de forma efetiva para a emancipação da classe trabalhadora. Não são nossos 
inimigos de
classe, mas para nós, o autonomismo está fadado à completa nulidade. Todas as pessoas que o
sustentam ao não romperem com esta vertente serão levados a reboque da revolução 
socialista que
só se concretizará quando a classe trabalhadora alterar, com sua própria força, as relações de
produção de nossa sociedade e obtiver o controle sobre os meios de produção.
4.1.2) ESPECIFISTAS
Surgidas no Brasil em fins da década de 90, as organizações especifistas consolidam-se nos
primeiros anos da década de 2000, nutridas, assim como nós, por críticas ao abandono da 
luta de
classes por parte das então existentes organizações próximas ao anarquismo.
As organizações especifistas avançam em muitos pontos, como na necessidade de atuar
junto à classe trabalhadora e sobre a urgência da construção de uma organização 
anarquista. Mas
ainda sustentam diversos vícios das outras tendências "próximas" ao anarquismo, o que
invariavelmente os levou a uma frágil formulação teórica e, consequentemente programática. 
Podese
perceber esta fragilidade a partir de um vício inerente às organizações desta corrente: a 
oposição
mecânica e absoluta a qualquer conceito ou contribuição vinda do marxismo, e a outra face da
mesma moeda, a aceitação de quase toda e qualquer formulação autointitulada anarquista. 
Isto as
leva, por exemplo,não apenas a negar o materialismo, como recair no revisionismo de 
conceitos, tal
como redefinir "vanguarda" pelo moderno nome de "minoria ativa", "partido" por "organização
específica anarquista", "dirigir a classe" por "ter influência", entre muitos outros 
exemplos, mas
também a tentar conciliar posições opostas dentro do anarquismo - como as propostas de partido
anarquista cristalizadas no plataformismo e no anarquismo de Malatesta -, caindo em um purismo
anarquista inexistente e totalmente idealista.
Destas influências carregam ainda uma confusão entre a compreensão de anarquismo como
um projeto socialista revolucionário da classe trabalhadora, e a compreensão - tipicamente
comportamental e autonomista - de anarquismo como um conjunto de práticas, métodos e padrões
14
Manifesto da Aliança Anarquista
culturais. Para nós, o termo anarquista designa um programa revolucionário classista e 
combativo,
que abarque uma compreensão frente ao Estado e sua relevância na manutenção e reprodução da
vida no regime capitalista, e pode também, no máximo, designar os trabalhadores engajados na
execução deste programa. Discordamos da existência de coisas como: métodos anarquistas de
organização e luta, princípios anarquistas, éticas anarquistas, cultura anarquista, educação
anarquista. A nosso ver, o anarquismo defende os métodos e organizações próprios da classe
trabalhadora, forjados especialmente nos momentos de acirramento da luta de classes. Greve 
não é
um "método anarquista", assim como não o são as assembleias, os comandos e as ações diretas -
como cortes de rua e piquetes -, mas sim métodos tipicamente proletários. Dessa forma, o 
sujeito
revolucionário só pode ser a própria classe trabalhadora e a nosso ver, o anarquismo deve 
ter como
objetivo a formulação de um programa possível de ser abraçado pelo conjunto desta classe 
como ela
realmente existe hoje, com todas suas imperfeições.
Estas fragilidades teóricas tem como consequência a ausência de um programa sólido e
coerente que articule a prática tática e estratégica com um horizonte revolucionário. E se 
desdobra
na fragilidade da própria militância das organizações especifistas que se expressa no fato 
de que,
apesar de defender a inserção nos movimentos de trabalhadores, assume uma postura de total
retaguarda dentro deles, abandonando-se a responsabilidade dos partidos junto à classe - que é
estruturar um programa revolucionário a ser testado na materialidade e fazer avançar aos 
passos
mais largos possíveis a destruição do atual sistema de exploração. O abandono do 
materialismo - e
a escolha do frágil método de interdependência das esferas - abre precedentes ainda para a 
atuação
culturalista e identitária por parte do especifismo, que muitas vezes assumem centralidade 
muito
maior do que qualquer atuação na luta de classes concretas.
Dessa forma, apesar de nascer como um esforço de reorganização do anarquismo na
América Latina, buscando uma atuação classista, o especifismo recai nos velhos problemas do
autonomismo, continuando confinando aos seus nichos alternativos e, consequentemente, à sua
inexpressividade política. Ou seja, o que é visível tanto pela teoria, quanto pela prática 
especifistas é
que, apesar das críticas e das bonitas palavras e jargões, estas não romperam efetivamente 
com o
autonomismo, sendo o fim reservado para um, o mesmo para o outro.
15
Manifesto da Aliança Anarquista
4.2) DIVERGÊNCIAS COM MARXISTAS
Antes de mais nada, faz-se necessário explicitar que as origens históricas do comunismo e
do anarquismo revolucionário são praticamente as mesmas - ambos se estruturam efetivamente na
1° parte da 2° metade do século XIX dentro da famosa Associação Internacional de Trabalhadores
(AIT). Assim sendo, como é de se esperar, grande parte dos pilares essenciais que as 
caracterizam
são comuns às duas vertentes socialistas: o método de análise materialista dialético da 
realidade; a
perspectiva proletária classista; uma sociedade de trabalhadores sem Estado, onde os meios de
produção seriam geridos por eles próprios, como horizonte; a importância da organização 
partidária
do proletariado. Mas também, até mesmo no âmbito estratégico programático há parcial 
consenso -
tanto o comunismo, como o anarquismo compartilhavam (e compartilham): a necessidade da
revolução violenta; o combate incessante à conciliação de classes; assim como o foco nas
organizações de resistência de trabalhadores (sindicatos e seus variantes).
Contudo, é imprescindível humildemente reconhecer que o anarquismo foi preponderante
somente nas décadas finais do século XIX e nas primeiras duas ou três décadas do século XX. A
partir de então, o marxismo paulatinamente hegemonizará o movimento da classe trabalhadora -
seja por suas correntes revisionistas reformistas, seja por sua vertente comunista 
revolucionária. Os
casos contrários são tão poucos e localizados - como a do revisionismo anarcossindicalista da
CNT/FAI na Catalunha até fins da década de 30 - que podem com justeza serem tachados de
exceção. Todavia, exemplos como este bastam para mostrar que a partir de seus próprios 
equívocos,
o anarquismo se tornou minoritário no movimento revolucionário.
A constatação da quase total irrelevância do anarquismo em um longo período das lutas da
classe trabalhadora é importante pois evidencia a necessidade, para nós anarquistas 
revolucionários,
de nos apropriarmos dos avanços e acúmulos desenvolvidos a partir das lutas dirigidas e 
teorizadas
por marxistas. Desconsiderar a totalidade das práticas e teorias formuladas e 
experimentadas pelos
companheiros comunistas, negando mecanicamente esta corrente equivale, assim, a defenestrar a
maior parte do esforço, sangue e suor, realizado pelo proletariado revolucionário no 
último século.
Atitude a qual não pode demonstrar outra coisa senão puro sectarismo e ingenuidade política.
Afinal, se virarmos as costas para todos esses aprendizados, nós anarquistas seremos 
incapazes de
extrair as devidas lições da luta de classe revolucionária do século XX, o que nos 
impossibilitará de
ter qualquer relevância nos processos revolucionários que acontecem e acontecerão no 
século XXI.
16
Manifesto da Aliança Anarquista
Correremos o risco, inclusive, de termos o mesmo destino das outras correntes socialistas pré-
proletárias ou pequeno-burguesas: nos tornarmos uma espécie de peça exótica no museu da 
história
da luta dos trabalhadores contra seus exploradores.
Não pretendemos de maneira alguma tirar da cartola alguma espécie de corrente híbrida ou
de síntese entre marxismo e anarquismo - um anarco-marxismo ou um marxismo libertário. O que
nos faz reivindicar o anarquismo e não o marxismo, mesmo entendendo como imprescindível a
apropriação de práticas e teorias originárias do campo comunista, é basicamente o mesmo motivo
que dividia anarquistas e comunistas na AIT: a questão do Estado e tudo o que dela decorre.
A nosso ver, a corrente comunista, realiza uma leitura superficial e reducionista do Estado,
suas origens, sua importância e seu papel na manutenção e reprodução da vida na sociedade
moderna. Este erro os leva a não compreender o Estado como parte fundamental da sociedade,
subestimando assim tanto sua relevância quanto a necessidade de sua completa e imediata
destruição. Bakunin, por sua vez, compreendia com profundidade a materialidade do Estado e a
importância da luta antiestatista. Ou seja, entendemos que o que nos diferencia dos 
comunistas é, a
priori e essencialmente, uma aplicação diferente do materialismo histórico dialético, 
aplicação esta
que nos leva a compreender o Estado como constituinte intrínseco da infraestrutura da 
sociedade
moderna, não como mera superestrutura ideológica ou como mera consequência das contradições
de classe.
Esta definição marxista peca primeiro por ser extremamente generalizadora - o Estado é
posto como uma instituição que existe desde os primórdios da humanidade até os dias atuais,
obscurecendo as imensas diferenças qualitativas entre as organizações políticas das classes
dominantes de cada período histórico. Pouquíssimo há em comum entre o múltiplo e
descentralizado poder dos inúmeros senhores feudais medievais e a pretensão ao monopólio da
violência do Estado-nação moderno. Um conceito que pretende explicar a totalidade das 
formas de
organização política da classe dominante em todos os períodos históricos inevitavelmente é tão
genérico que torna-se incapaz de explicar efetivamente qualquer coisa.
Em segundo lugar, esta visão do Estado como superestrutural e ideológico não resiste a
uma análise histórica rigorosa. Mesmo a partir de uma leitura de Marx, como quando aborda a
Acumulação Primitiva, se evidencia o papel determinante do Estado-nação moderno tanto no
processo de concentração de capital quanto no de violação das propriedades comunais feudais,
gerando assim, as condições necessárias para a conformação do capitalismo moderno. Fato 
histórico
o qual é suficiente para pôr em questão a teoria marxista de Estado.
17
Manifesto da Aliança Anarquista
Entretanto, essa divergência obviamente não se resume a uma mera questão teórica,
diversos pontos programáticos e estratégicos dela decorrem. Gostaríamos de pontuar duas 
das quais
nos parecem centrais: a ditadura do proletariado - compreendida como a ditadura do partido
bolchevique exercida através dum Estado dito operário - e o período de transição.
A história da luta do proletariado contra seus algozes nos mostra que a organização
superior da classe trabalhadora, a qual é construída em situações de ascenso revolucionário, é
fundamentalmente a dos conselhos de trabalhadores delegados. Estes são escolhidos nos 
diferentes
comitês dos locais de trabalho, dos diversos ramos que compõem a economia de uma determinada
região insurreta. O proletariado ao se organizar nestes conselhos (sovietes, no caso 
eslavo), leva à
dualidade de poder para uma dimensão ampla da sociedade, instaurando inexoravelmente a questão
de quem governará: os trabalhadores por via de seus conselhos, ou a burguesia através do 
Estado.
Caso os trabalhadores derrotem a burguesia, expandindo seus comitês a partir da 
expropriação das
diversas células constituintes do modo de produção e destruindo o aparato repressivo do 
Estado - o
que impreterivelmente leva à necessidade da constituição de organizações de trabalhadores 
armados
a serviço dos Conselhos -inicia-se o regime socialista, uma sociedade onde os 
trabalhadores através
de suas próprias instituições e organizações - comitês, conselhos, unidades armadas, mas 
também,
correntes, partidos e similares - dominam a ordem social e gerenciam a totalidade dos meios de
produção.
Ou seja, divergimos dos comunistas frente à tese de que a ditadura do proletariado se
exerce através da ditadura do Estado bolchevique e frente a existência de um período de 
transição.
Divergências estas que, inclusive, tiveram forte presença logo a partir dos primeiros anos 
de regime
bolchevique na Rússia. Indo contra os postulados de Lenin acerca do período de transição e da
ditadura do proletariado - entendida como governo do partido bolchevique -, a dualidade de 
poder
que se manifestava entre os sovietes e o Estado czarista, também manifestou-se entre os mesmos
sovietes e o Estado bolchevique. Já nos anos entre 17 e 21, quando Lenin ainda governava, a
dualidade entre o poder da classe trabalhadora organizada em comitês e conselhos, 
expressou-se nos
combates entre o exército popular Makhnovista e o Exército Vermelho na Ucrânia, nas greves de
São Petersburgo, na insurreição de Kronstadt, e até mesmo nos levantes camponeses que 
eclodiram
em muitas regiões da Rússia no inverno de 1920. Não por acaso, todos estes episódios de 
luta de
trabalhadores contra o Estado bolchevique e o Exército Vermelho, entoavam a palavra de 
ordem de
"todo poder aos sovietes" e criticavam duramente o Estado bolchevique - o qual 
pretendia-se como
representação efetiva da classe trabalhadora, ainda que e quando esta mesma contra ele se
18
Manifesto da Aliança Anarquista
levantava.
Mesmo que todos este levantes tenham saído derrotados e o regime do partido bolchevique
efetivamente se consolidado, esta posição ganhou formulação programática na proposta
desenvolvida pelo grupo de anarquistas exilados eslavos Dielo Trouda, conhecida como 
Plataforma.
Programa o qual reivindicamos.
5. CONCLUSÃO
Com este manifesto almejamos lançar um desafio a todos os trabalhadores que desejam
dias melhores. A todos que compreendam que, para tal, se impõe a necessidade de uma
transformação profunda de nossa estrutura social. Que concordem que, se somos nós 
trabalhadores
que cultivamos a terra de nosso alimento, operamos as máquinas industriais, escavamos os 
tuneis de
mineração, levantamos as cidades, conduzimos os trens, limpamos as ruas e avenidas, garantimos
os serviços essenciais; são, então, nossos braços que seguram os remos da nau da sociedade
moderna. É nosso o trabalho que garante a manutenção e a reprodução da vida em sociedade. 
Resta
a nós, nos livrarmos dos açoites dos algozes e da exploração dos proprietários, e tomarmos o
controle da nau. Se somos nós que garantimos a vida em sociedade, por que não somos nós que
mandamos nos locais de trabalho e na política? À nós, trabalhadores, impõe-se a necessidade de
lutarmos organizadamente pelo empoderamento de nossa classe. Temos a esperança de que esse
manifesto toque cada trabalhador que compreenda a necessidade de ecoarmos novamente os gritos
que exigiam "todo poder à classe trabalhadora".
Muito há de ser feito inclusive dentro deste nosso partido e muitos pontos ainda estão em
aberto. Lançamos neste 1º de maio o que é balizador de nossos passos, qual é a teoria a 
qual vamos
procurar para definir nossas estratégias e atuações e aqueles que são os acordos mais 
elementares
para nós acerca da construção deste programa. Não era possível esperar mais... A luta de 
classes
intensifica-se a passos largos e cada momento mais de espera para a consolidação da Aliança
Anarquista seria um risco.
Ousamos nos colocar nesta batalha, e sabemos que não estaremos sozinhos. Está lançado o
desafio: a formulação de um programa anarquista classista e combativo. Um programa que 
esteja à
altura da tarefa histórica de nossa época: a revolução social que dará aos trabalhadores o 
poder e
destruirá o Estado e o Capital.
19
Manifesto da Aliança Anarquista
Para constituição de tal programa, partimos do anarquismo revolucionário da primeira
internacional, expresso na Aliança, na militância de Mikhail Bakunin entre outros, mas também
presente na revolução da Comuna de Paris. Reconhecemos a importância, também, do
desenvolvimento da luta de classes no sindicalismo revolucionário e suas variantes de fins 
do século
XIX e primeiras décadas do século XX. Reservamos lugar de destaque para a Revolução Russa, e à
presença do anarquismo revolucionário realizado predominantemente na Makhnovshchina, e,
especialmente, aos acúmulos desse profundo momento da luta de classes extraídos pelo grupo de
exilados eslavos Dielo Trouda. Partimos, então, do que é conhecido como plataformismo.
Entendemos a Plataforma e as contribuições de seus militantes como avanços no anarquismo
revolucionário. Façamos das lutas dos trabalhadores em outros períodos um aprendizado 
acerca dos
erros e acertos, pois o desafio que nos lançamos é enorme.
Convocamos todas e todos os trabalhadores presentes e atuantes nas diversas trincheiras da
luta de classes a edificarmos e realizarmos um programa revolucionário, e um partido que o 
leve a
cabo. Um programa que seja capaz de, pautado na sociedade como ela efetivamente existe e dos
trabalhadores reais, traçar um caminho possível de ser trilhado pelo conjunto de nossa 
classe rumo à
revolução social!
TODO PODER À CLASSE TRABALHADORA!
Aliança Anarquista,
1º de maio de 2015.
http://alianca-anarquista.org

http://alianca-anarquista.org/wp-content/uploads/2015/10/manifesto-diagramado-FINAL1.pdf


More information about the A-infos-pt mailing list