(pt) anarkismo.net: Pílulas de reflexão libertária na América Latina (1), a defesa de uma produção primária em base a uma economia não monetária by BrunoL

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quinta-Feira, 28 de Janeiro de 2016 - 11:49:24 CET


Escrevendo de modo mais solto, vou aportar alguns conceitos e categorias por aqui e na 
sequência, vamos formatando nesta série iniciada de artigos para aumento da difusão. 
Estamos em período de Fórum Social Mundial – Fórum Social Temático – e o presumido – 
suposto – contraponto do Fórum Econômico Mundial de Davos. Logo, as energias apontadas 
para este tipo de evento se desgastam junto do equivocado entusiasmo – já em fase de 
franco declínio – com governos de turno, cabendo debater a ideia de longo prazo. ---- A 
defesa dos territórios também inclui a capacidade produtiva onde, supostamente, seria 
viável desenvolver em pequena escala outros modos de produção desde que aliados com uma 
ampla luta reivindicativa. ---- Em 2001, quando da primeira edição do Fórum Social Mundial 
em Porto Alegre, era possível fazer uma leitura do governo municipal do PT na capital 
rio-grandense assim como da Frente Ampla em Montevidéu, capital do vizinho Uruguai. O 
mesmo se dava na política de governos estaduais, estando o Rio Grande do Sul (RS) no 
penúltimo ano de governo Olívio Dutra, com uma hegemonia de governo entre a 
social-democracia cristã (Articulação de Esquerda) e o pós-trotsquismo “responsável” da 
Democracia Socialista (DS). Nosso Continente fervia com a perspectiva chavista na 
Venezuela – ainda no começo de seu governo – antes dos golpes e contragolpes de 2002 e 
2003 e da ascensão do MAS (Movimento Ao Socialismo, na sigla original, Instrumento 
Político dos Povos Originários de Bolívia) com o líder cocalero Evo Morales à frente. O 
reforço da dependência do capitalismo periférico e a ausência de autonomia estratégica dos 
movimentos populares e classistas, vem levando em maior ou menor grau, a um retorno da 
direita política como forma expressa da agressiva direita ideológica, pró-ocidental e 
notoriamente colonizada.

Não se trata agora de aportar críticas sobre críticas apenas para faturar politicamente em 
cima de um desastre amplamente previsível e ainda não completamente consumado. Mas, é 
preciso afirmar que a ausência de uma teoria de poder popular de longo prazo e, 
obviamente, a subsequente ausência de estratégia de construção permanente deste poder, faz 
com que o jogo do liberalismo sob ares de democracia opere como canto de sereia para os 
possibilistas de sempre. Sei que venho repetindo isso há tempos, mas infelizmente, superar 
o refluxo que está chegando por direita é fundamental para os próximos cinco a dez anos de 
nosso Continente.

Um exemplo desta dependência e a confusão conceitual e proposital entre “crescimento 
econômico do capitalismo periférico” e o “desenvolvimento social com o protagonismo das 
maiorias” se evidencia no exemplo que segue. Infelizmente a América Latina perdeu uma 
chance histórica de virar a mesa da herança colonial garantindo setores da economia sob o 
controle coletivo, através de trocas subsidiadas e de base não monetária. Qualquer 
geógrafo, urbanista, estudioso ou tecnocrata das cidades e metropolitanos vai afirmar a 
necessidade de garantir cinturões verdes ao redor das manchas urbanas e com isso frear 
tanto a especulação do solo citadino como também a permanência de famílias vinculadas à 
produção primária perto de centros de abastecimento e distribuição.

O caso do estado do Rio de Janeiro é exemplar, pois mesmo dentro das regras do jogo do 
capitalismo periférico, trata-se de um enorme potencial de consumo de alimentos e a franca 
opção pela pobreza no campo e a especulação imobiliária nas áreas próximas da capital e 
metrópole fluminense. Em última análise estamos vivendo inflação de alimentos porque em 
grande parte esta cadeia está dolarizada e sem proteção. Produzir grãos para se tornarem 
commodities em escala mundial não garante a mesa de ninguém mais farta e barata. Voltando 
ao modelo já defendido por vários setores, tal proteção (dos produtores familiares e de 
preferência coletivizados) aqui defendida não implica em garantir “posições dentro do 
aparelho de Estado”, levando á degeneração ideológica simplista do “vale tudo para 
assegurar o mínimo”. Esta difusão vulgar de Gramsci faz tanto estrago na esquerda como a 
tese do patrimonialismo e herança ibérica faz pela difusão midiática do argumento da 
direita. Estou afirmando que qualquer projeto de desenvolvimento é uma disputa de modelo e 
como tal este tem de assegurar zonas de produção protegidas da economia monetária, 
transferindo recursos conquistados na lei ou na marra, para manter o controle sobre os 
territórios e focar na produção primária onde todo o controle da cadeia esteja sob a 
decisão coletiva, da semente nativa à distribuição subsidiada.

O caminho mais fácil é apenas responsabilizar os governos de centro-esquerda, os mesmos 
que optaram por aprofundar o modelo de exploração colonial e negociando com o pior de 
nossos países. Sim, esta gente é muito responsável por ampliar a primarização das 
economias latino-americanas. Mas também é preciso ir além da denúncia e ver o sistema como 
um todo. Toda base produtiva não monetária é um bastião embrionário de socialismo e como 
tal deve ser defendida.

Repito aqui o que já afirmei em outros espaços. A defesa dos territórios também inclui a 
capacidade produtiva onde, supostamente, seria viável desenvolver em pequena escala outros 
modos de produção desde que aliados com uma ampla luta reivindicativa.

Bruno Lima Rocha é professor de ciência política e de relações internacionais.

Site: www.estrategiaeanalise.com.br
Email: strategicanalysis  riseup.net
Facebook: blimarocha  gmail.com

http://www.anarkismo.net/article/29013


More information about the A-infos-pt mailing list