(pt) Grécia, Anarquistas em Tessalônica Iniciativa Anarquista do Mediterrâneo

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quarta-Feira, 25 de Novembro de 2015 - 08:57:15 CET


De 9 a 18 de outubro na Grécia teve lugar a reunião da Iniciativa Anarquista do 
Mediterrâneo, promovida pela campanha "Três Pontes" (coordenadas por coletivos e grupos 
anarquistas gregos), com o apoio da IFA - Internacional de Federações Anarquistas. A 
reunião foi realizada de maneira itinerante, atingindo várias cidades: Atenas, 
Tessalônica, Patras, Xania e um par de cidades menores. A reunião foi assistida por 
centenas de camaradas de dezenas de países da Europa e além. A reunião será abordada em 
futuras edições do UN [Umanità Nova, semanário anárquico italiano], onde aparecerá um 
relatório completo. Aqui vamos tratar do movimento anarquista em Tessalônica, onde foram 
realizadas reuniões, de 12 a 14 de outubro, visando especificamente a realidade dos 
Balcãs. Tessalônica é a segunda maior cidade da Grécia, com mais de 800.000 habitantes, 
incluindo o interior e tem sido um reduto do movimento anarquista grego. Na cidade existem 
inúmeros e diversificados espaços do movimento (locais de aluguel, centros ocupados, ou 
não, squats, bares ocupados dentro da Universidade, cafés gestionados por cooperativas de 
companheiros, etc.), do qual podemos visitar apenas uma pequena parte. A presença 
anárquica, especialmente - mas não somente, em áreas do centro histórico, é palpável e 
visível, a partir das centenas de cartazes e numerosos escritos em qualquer ambiente 
colocados em todo lugar.

A liberdade de circulação dos companheiros e companheiras em algumas áreas é tal que eles 
podem colocar cartazes em plena luz do dia, sem quaisquer problemas ou podem improvisar 
marchas não autorizadas para os locais de concentração sem qualquer impedimento. Até há 
cerca de um ano, essa riqueza, no entanto, estava muito fragmentada: não existia nenhuma 
coordenação e cada cidadão agia individualmente, apenas para encontrar-se coletivamente na 
praça. Nos últimos tempos, graças também à preparação de reuniões, nasceu uma coordenação 
que recolhe uma grande proporção de grupos de cidadãos; a "base" desta rede é o "Tamanco", 
casa alugada no centro da cidade, onde as reuniões acolhem oito grupos e que foi uma das 
sedes da reunião no Mediterrâneo. Floresce também a publicidade do movimento: existem 
inúmeras editoras (que muitas vezes traduzem textos do italiano) e vários jornais; o 
principal é Apatris, mensalmente distribuído a nível nacional em 15.000 cópias, produzido 
por diversos grupos em toda a Grécia.

Em Tessalônica vimos em primeira mão a evolução do movimento anarquista grego: as posições 
insurrecionalistas e de luta armada que anos atrás eram hegemônicas são agora minoritárias 
e grande parte do grupo hoje fala do anarquismo social e organizado, intervenção em 
batalhas sociais, experimentação, e as lutas dos trabalhadores para atividades de 
autogestão. Esta mudança também se reflete nas opções organizacionais: na Grécia agora 
existem duas Federações Anarquistas (aquela que nasceu em outubro e a outra que vai nascer 
[nasceu] no início de novembro) e muitos outros grupos locais estão a ver este 
desenvolvimento com interesse.

Em Tessalônica, existem grupos pertencentes a ambas as federações e outros trabalhadores 
não assalariados, cooperando uns com os outros na organização do encontro: embora com 
dificuldades e problemas, um exemplo positivo para outras cidades. Uma colaboração que 
vimos na praça do evento realizada em 12 de outubro, após o ataque em Ancara. O bloco 
anarquista, numerando aproximadamente 700 companheiros, foi composto por pertencentes a 
todos os grupos e veio imediatamente após os curdos, os organizadores e antes de várias 
outras organizações de esquerda da área marxista. O espaço anarquista ocupava, em relação 
à organização do espaço específico, até mesmo a cabeça da procissão.

Nós testamos nesta ocasião a seriedade e a combatividade dos compas gregos: os lemas 
gritados desde o início até o fim do desfile (no caso também pelo slogan intercalado em 
outras línguas dos participantes na reunião em uma Babel internacionalista realmente 
eficaz, mesmo a faixa de abertura foi em sete idiomas), escritos nas paredes, uma ordem 
visível e compacta e ao mesmo tempo sem atitudes machistas e formada também por 
companheiros e - na minha opinião nota significativa - nenhum dos participantes bebia 
cerveja ou outras bebidas alcoólicas ou fumou (algo impensável hoje, infelizmente).

O movimento anarquista em Tessalônica não é uma pequena rede de militantes aguerridos, mas 
uma realidade social e política viva e em evolução, e a impressão que temos - como no 
resto da Grécia, os companheiros e companheiras estão apenas começando a colocar em campo 
o seu enorme potencial de luta e mudar a situação de crise no país.

Repórter UN

umanitanova.org

Tradução > Liberto


More information about the A-infos-pt mailing list