(pt) Colômbia, Medellin: Transcorrer da 3ª Feira Anarquista do Livro e do Fanzine

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quarta-Feira, 25 de Novembro de 2015 - 08:57:06 CET


Com entusiasmo e alegria se começa a reconhecer as caras daquelxs que foram a um encontro 
de fogos, os olhos delataram as presenças de quem ainda sem haver compartilhado espaços 
anteriormente, interiormente já o faziam, no justo anseio de destruir a autoridade. Desta 
vez o encontro iconoclasta aconteceu [14 e 15 de novembro] na cidade-monstro de Medellin, 
na Terceira Feira Anarquista do Livro e do Fanzine. ---- Desde cedo começaram a chegar de 
algumas latitudes do território dominado pelo Estado colombiano coletivos e 
individualidades, transportando-se simultaneamente por diversos lugares para apontar para 
um mesmo desejo, o de encontrar-se com quem compartilhar e criar antiautoritariamente. 
---- Por alguns dias um espaço foi liberado. Entre livros sediciosos, palavras 
entrelaçadas, olhares cúmplices, palestras, vídeos, música, esforços compartilhados e 
reconfortantes, geraram-se reflexões entorno a aprendizagens antiautoritárias em 
contraposição à domesticação educativa, seja tradicional ou seja das alternativas que não 
confrontam as lógicas do sistema, senão que mudam sua camuflagem e lhe dá cores mais 
chamativas mas que não deixam de encobrir o mesmo, uma formação que tem como fim a 
adaptação a modelos hegemônicos encarregados de reproduzir e justificar relações de dominação.

Também traços e riscos de um teatro irreverente, anárquico e com suspiros para a nada 
budista, houve rumores de contos selvagens de griots [contadores de histórias] promulgando 
emancipação, e denúncias esparsas dos cárceres e centros de extermínio, especialmente o da 
seção feminina do cárcere de Pedregal, onde sob a implantação das novas infraestruturas 
penitenciárias, se segrega da vida as internas em todos os sentidos, impossibilitando até 
a entrada do sol, impedindo qualquer contato humano e vivo, introduzindo as grades às 
mentes dxs presxs interiorizando o controle e a vigilância. Assim são os modelos de 
cárceres que na atualidade se constroem e empregam a serviço de interesses econômicos, 
religiosos e sociais, coisificando e consequentemente tentando erradicar até no pensamento 
qualquer tentativa de dignidade.

Assim continua a Feira, há os que elaboram bonecxs quitapesares¹ e há quem canta seus 
pesares conspirando gritos libertários, expondo experiências de vida, de música e 
resistência, seguidamente se debate sobre a autogestão, projetos de autossuficiência e 
cooperativismo, a socialização de iniciativas editoriais que desde diversos lugares se 
apoiam na palavra escrita, a memória negra, e o artefato de tinta instigadora, querendo 
materializar espaços onde a ideia ácrata se revitalize, se retroalimente, se alente e se 
critique; na intenção de abrirmos sulcos mentais às lutas, posições, e imaginários que 
sustentam o inventário do passado, presente e futuro anárquico.

Assim como América Scarfó desejamos para nós o que desejamos para todos e todas, a 
liberdade de atuar, de amar, de pensar, quer dizer, a anarquia na natureza, animais e 
humanxs, com ela a queda de todos os muros que pretendem em vão apaziguar a chama ácrata.

Enviamos com amor em guerra um abraço fraterno a Freddy Fuentevilla Saa, Marcelo 
Villarroel Sepulveda e Juan Aliste Veja.

Companheirxs sequestrados pelo Estado chileno que ainda estando na prisão física fizeram 
voar suas palavras até este encontro expressando-nos seu apoio e luta.

Que as letras ultrapassem fronteiras e as ações ultrapassem barreiras.

Pela liberdade de todxs elxs, presxs na rua!

Companheirxs da Feir(a)


More information about the A-infos-pt mailing list