(pt) Nota Pública sobre a violência policial ocorrida durante a 1ª Feira do Livro Feminista e Autônoma de Porto Alegre (RS)

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Terça-Feira, 10 de Novembro de 2015 - 12:14:10 CET


Somos um coletivo de pessoas que se formou através de afetos, amizades, afinidades e 
momentos e vivências antes, durante e depois da I Feira do Livro Feminista e Autônoma de 
Porto Alegre (I FLIFEA POA). A feira tinha como seu principal objetivo a troca de 
materiais, de vivências e de experiências que pudessem debater coletivamente a respeito 
dos feminismos e da autonomia das mulheres frente às instituições e em relação a seus 
corpos. Esse objetivo estava se concretizando ao longo de dois dias de atividades, nos 
quais nos fortalecemos entre todas, conversamos, aprendemos, rimos e novas ideias puderam 
surgir a partir do encontro. Até que, juntas, muitas de nós sofreram a violência policial 
da noite de primeiro de novembro de 2015. Entre as agredidas estavam presentes algumas das 
que compunham a organização da FLIFEA, mas não só. A partir dos últimos acontecimentos 
vivemos uma nova forma de autogestão da experiência compartilhada onde "a organização da 
feira" se dissolve na nova coletividade que escreve este texto, composta por aquelas que 
foram diretamente afetadas pela repressão vivida na noite de domingo.

Dito isso, nos manifestamos através desta nota pública no blog da I FLIFEA POA, da maneira 
combinada entre nós como única manifestação pública do grupo mencionado acima. De acordo 
com isso, nenhuma de nós concedeu e nem concederá entrevista a qualquer veículo de 
comunicação e, embora estejamos recebendo assistência jurídica de advogadas feministas de 
maneira voluntária, elas também não nos representam frente à mídia. Também é importante 
apontar que não organizamos ou marchamos sozinhas no ato do dia dois de novembro de 2015, 
mas contamos com o apoio espontâneo de muitas pessoas que se sensibilizaram com nossa 
situação, e não tivemos relação alguma com o ato do dia seguinte, dia três de novembro de 
2015. Nos fortalece muito e agradecemos o apoio das pessoas e organizações que estão se 
mobilizando autonomamente em relação ao ocorrido e nos comove a grande rede de 
solidariedade criada; no entanto, nos parece importante estabelecer que essa rede 
extrapola nossa dimensão organizativa e, portanto, não é possível nos responsabilizar pela 
totalidade dos eventos disparados pelo episódio. A quem resiste em solidariedade conosco, 
pedimos cuidado para não falarem em nosso nome, e, ainda, pedimos o respeito para não 
fazer o uso desse fato para apropriação em relação a agendas políticas partidárias, 
tampouco individuais.

Entendemos que a situação de agressão policial pela qual passamos se insere num contexto 
social de mobilização frente aos retrocessos que têm acontecido nas políticas para 
mulheres e ao crescimento do conservadorismo patriarcal no debate público sobre os 
direitos já conquistados e ainda por conquistar por mulheres e outros grupos minoritários. 
Tanto nos debates de políticas institucionais, quanto nos espaços de formação de opinião 
como redes sociais, diversas pautas feministas estão sendo mobilizadas neste momento, como 
os assédios cotidianos que vivemos desde a infância , nossa autonomia para decidir sobre 
nossos corpos, a violência vivida em espaços domésticos e a possibilidade de que as 
mulheres falem por si mesmas. Ao mesmo tempo, percebemos que a repressão que vivemos no 
último domingo gera comoção por diferentes motivos, que queremos apontar. Primeiro, a 
brutal violência por parte de policiais, homens, exercida contra mulheres, fazendo uso 
abusivo de autoridade através de aparatos de força (cacetetes foram usados e armas foram 
apontadas contra nossos corpos desarmados), evidencia a lógica militarizada e misógina que 
pauta a atuação dessa corporação. O ocorrido conosco também contribuiu para o 
reconhecimento das violências cotidianas que as mulheres sofrem, mobilizando aquelas 
pessoas que já trabalham para combater as causas dessas violências, e também 
sensibilizando aquelas que vivem ou já viveram essa realidade em suas vidas. Finalmente, 
consideramos que também foi notável o fato de estarmos nos propondo a construir um debate 
sobre feminismos num evento cultural no qual nossa arma era a construção de ideias 
políticas e de cumplicidade, e desse processo ter sido brutalmente atropeladas pela 
agressão policial.

Porém, queremos frisar questões importantes que contribuíram para a comoção que este fato 
gerou. Percebemos que isto se deu principalmente pela agressão ter ocorrido em um bairro 
central da cidade, com mulheres majoritariamente brancas, militantes feministas, muitas 
delas universitárias. Esses marcadores da nossa posição social foram o que tornou possível 
que uma agressão policial tenha se tornado um fato político desta dimensão e reflete o 
privilégio que temos em relação a tantos outros casos invisibilizados pela mídia, como a 
luta daquelas que se mobilizam contra a violência policial no país (pessoas negras, trans, 
periféricas, camponesas, indígenas, em situação de rua, em situação de prostituição.) Por 
isso, temos a responsabilidade de lembrar que enquanto esse é, para muitas de nós,um fato 
eventual em nossas vidas, para muitas outras, faz parte de um cotidiano marcado pela 
violência policial - entre tantas outras -, nas quais as ameaças de morte são de fato 
cumpridas. Sabemos que isso acontece porque, em nossa sociedade, há uma valorização 
diferenciada das vidas e da dignidade das pessoas, na qual existem vidas que valem mais 
que outras, vidas que merecem ser vividas,enquanto outras são lidas como descartáveis, 
principalmente pelo Estado que se utiliza de seu braço armado para agir de maneira 
violenta de diversas formas. Esse comportamento policial que acontece cotidianamente em 
contextos periféricos que promove o genocídio da população negra pôde ser observado 
durante o ocorrido na noite de domingo, uma vez que foi evidente que o alvo escolhido para 
a primeira investida física foi uma das poucas mulheres negras que estavam presentes 
naquele momento, confirmando as práticas e o caráter racista da instituição.

A repercussão da violência policial que sofremos nos afetou de diversas formas. Temos nos 
sentido coagidas a proceder de uma maneira específica dentro do sistema legal para 
comprovar a legitimidade de nosso relato publicamente. Vemos alguns procedimentos legais 
dentro disso como violentos para nós, mas também entendemos a necessidade de fazer o uso 
desses canais de denúncia, mesmo sabendo das suas limitações. Reivindicamos, outra vez, 
que sejam respeitadas nossa temporalidade e nossa liberdade de decidir como conduziremos a 
situação. Queremos pontuar, no entanto, que o que torna um fato publicamente legítimo não 
precisam ser apenas os procederes da lei que o Estado proporciona (e que muitas vezes 
vulnerabiliza e expõe as vítimas mais do que as protege) mas também a força do nosso 
relato, das marcas que reconhecemos nos corpos umas das outras e na nossa capacidade de 
articulação com uma extensa rede de solidariedade que nos tem prestado tanto apoio. 
Aquelas que vivem essas violências no seu cotidiano sabem da veracidade dos fatos, sabem o 
quanto fotos de machucados não ilustram suficientemente o que significa sofrer essas 
violências em todos os espaços, que é, afinal o assunto do qual queríamos tratar na 
intervenção teatral no dia de finadas, que estava sendo ensaiada naquela praça, quando os 
policiais chegaram. Essa intervenção tinha, inclusive, o propósito de denunciar e 
visibilizar o assassinato sistemático e constante de mulheres que ocorre pelas mãos dos 
homens - feminicídio -, tanto no âmbito doméstico-familiar quanto institucional, estatal e 
militar.

A discussão desse conceito - feminicídio - é muito recente e é resultado do exaustivo 
trabalho de denúncia de mulheres que se esforçam para evidenciar essa violência que 
costuma ser mascarada. No entanto, negamos a instituição do Estado e suas leis como a 
única fonte legitimadora dos fatos. Acreditamos que a construção da legitimidade pode se 
dar a partir de outros consensos éticos baseados na identificação mútua e em vivências 
compartilhadas por pessoas.

Informamos ainda que não daremos satisfação sobre as nossas movimentações no âmbito 
jurídico/institucional. Lembramos que mesmo juridicamente esse caso extrapola a nossa ação 
individual, e que outras instâncias podem se mobilizar para denunciar aspectos da 
(in)justiça independentemente da nossa vontade. Ainda, em relação à imprensa e à mídia, 
negamos a urgência de nos agendar de acordo com uma temporalidade imposta por redes 
sociais e outros meios de comunicação. Não podemos atropelar processos internos para 
atender a demandas externas, temos responsabilidades umas com as outras e, especialmente, 
de maneira alguma nos deixaremos pautar por uma mídia oportunista e tendenciosa. A demora 
para que apresentássemos informações foi argumento para o questionamento da veracidade de 
nosso relato. Reconhecemos essa como uma maneira de manipular fatos e indivíduos dentro de 
uma lógica alienante e um ritmo desumanizador de um modo de vida viciado no imediatismo. 
Não é essa a vida que queremos compartilhar umas com as outras e isso não nos será 
imposto. Essa suposta demora em responder a esses pedidos está diretamente relacionada com 
a necessidade que temos de nos ouvir e nos acolher nesse momento em que nos encontramos 
machucadas frente a situação real de agressão que passamos. Acreditamos ser cruel esse 
tempo midiático que transforma as feridas das pessoas em produto e audiência, e assim as 
violenta novamente. Estamos principalmente mobilizadas a dar um desfecho que não percorra 
esses caminhos e nos organizando horizontalmente de maneira a consolidar este fato como 
político para de fato transformar as feridas em luta.

Somos autônomas e nos organizamos a partir de práticas libertárias. Sabemos que práticas 
que questionam as instituições e o estado foram e são historicamente perseguidas. Por 
conta disso, receamos que o que aconteceu possa ter sido parte de ações politicamente 
motivadas por um discurso de ódio e não apenas a decorrência de uma abordagem que sucedeu 
mal. Frente a isso, esperamos que as expressões de solidariedade que tanto têm nos ajudado 
até agora se mantenham.

Precisamos, também, lembrar que desde antes mesmo da data da Feira, nossas medidas de 
segurança foram violadas com a criação do evento da Feira do Livro Feminista e Autônoma no 
facebook pela página Porto Alegre Cultura, que mesmo tendo sido avisada de que não 
queríamos expôr a Feira e as mulheres envolvidas na FLIFEA nesta rede, ignorou nossos 
protestos. Consideramos que o criador dessa página tem responsabilidade pelas ameaças que 
recebemos durante a Feira e pela agressão policial e, portanto, tem nosso sangue nas mãos. 
Fomos excessivamente expostas por esse evento contra a nossa vontade que possui quase 6 
mil pessoas confirmadas e mais de 11 mil convidadas.

Por fim, agradecemos a todas que vieram prestar solidariedade nesse momento, 
independentemente de seu alinhamento político. O espaço da I FLIFEA POA se consolidou como 
um momento de rompimento com as lógicas de segregação e afastamento entre feminismos que 
estavam sendo vivenciadas em nossa cidade. O momento que estamos passando reforça essa 
ruptura; temos confiado e vivenciado o acolhimento umas das outras, nos fortalecendo tanto 
em nossas relações pessoais quanto políticas.

Valorizamos o engajamento daquelas que optam por lutar a partir de diferentes frentes e 
todas aquelas que se rebelam para não serem esmagadas por esse sistema que oprime 
iniciativas e (r)existências em liberdade e auto organização. Um conjunto de estratégias é 
mais eficiente do que qualquer uma delas isoladamente. Sabemos muito bem o que nos move.

Agradecemos àquelas mais experientes nas suas caminhadas de luta e resistência pelo apoio 
que vieram demonstrar. Mulheres que compartilham seus conhecimentos e saberes e 
possibilitam que partamos de um acúmulo para que cada geração de mulheres não precise 
começar do zero a cada batalha travada nessa guerra constante contra todas nós. Máximo 
respeito às velhas bruxas que vieram nos cuidar.

Seguiremos nas ruas fazendo arte, okupando os espaços, comunicando nossas posições e dando 
continuidade à luta, porque a nossa força de golpe é da mesma intensidade daquilo que 
vivemos. Bruxas resistem!

flifeapoa.noblogs.org


More information about the A-infos-pt mailing list