A - I n f o s

a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **
News in all languages
Last 40 posts (Homepage) Last two weeks' posts Our archives of old posts

The last 100 posts, according to language
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Catalan_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ _The.Supplement

The First Few Lines of The Last 10 posts in:
Castellano_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_
First few lines of all posts of last 24 hours | of past 30 days | of 2002 | of 2003 | of 2004 | of 2005 | of 2006 | of 2007 | of 2008 | of 2009 | of 2010 | of 2011 | of 2012 | of 2013 | of 2014 | of 2015 | of 2016 | of 2017 | of 2018 | of 2019 | of 2020

Syndication Of A-Infos - including RDF - How to Syndicate A-Infos
Subscribe to the a-infos newsgroups

(pt) Union Communiste Libertaire Bruxelles - UCL Liège: De frente para o Coronavius, uma mensagem de esperança e um apelo à criação de laços de solidariedade entre a população. (en, fr, it)[traduccion automatica]

Date Wed, 25 Mar 2020 07:52:33 +0200


O artigo também destaca a extensão do atual colapso econômico e seus impactos para os mais precários. Aceitaremos, como em 2008, um plano de resgate financeiro pago com os frutos de nosso trabalho e nossos impostos? O resgate deve beneficiar os gigantes financeiros ou o refinanciamento dos serviços de saúde? ---- Devemos, portanto, organizar e resistir, para que os financiadores não tragam as pessoas de joelhos, como aconteceu em 2008! ---- Mesmo em isolamento físico, não vamos deixar de estar unidos, organizados e ativos. ---- Contra o medo, vamos organizar a esperança. ---- O povo italiano já vive em confinamento há vários dias. A situação na Bélgica ainda não é semelhante à italiana, mas ainda lhe parece sensato compartilhar o seguinte texto emhttps://medium.com/@ilcorsaro.info/ . Vamos ficar um passo à frente!

Não vamos nos debruçar sobre as medidas tomadas, que certamente são traumáticas, provavelmente inevitáveis, nesta fase. O que precisamos agora é fazer nossa parte para sair dela, ajudando-nos mutuamente, protegendo os elementos mais fracos da nossa sociedade e aprendendo com ela para o futuro.

Perguntamos a nós mesmos o que as realidades coletivas, sociais e políticas podem fazer em um momento como esse, quando necessário, ou seja, o isolamento de todos na privacidade de sua própria casa, é o completo oposto do que comprometemos todos os dias, ou seja, o compartilhamento de espaços comuns, coletivos e abertos.

O que podemos fazer é transmitir uma mensagem de solidariedade, determinação e esperança em tempos difíceis. Conclamamos todos a não ceder ao desânimo, a não entrar em pânico, a comprometer da maneira correta as muitas horas que serão gastas sem o contato normal com os outros. Se concordarmos em seguir as instruções das autoridades de saúde de maneira responsável para evitar o contágio, devemos, ao mesmo tempo, continuar ativos. Em particular, convidamos todos a:

Mantenha a mente aberta: não desanime e sirva-se.

A situação é difícil, mas ainda não dramática, será difícil por um tempo, mas sairemos dela. Vamos aproveitar ritmos mais lentos, passar tempo com nossos entes queridos. Vamos cuidar um do outro, respeitando as regras de isolamento, ouvir os problemas das pessoas com mais dificuldades, tentar encontrar soluções.

Sempre que possível, e com o máximo cuidado e cautela, organize atividades para ajudar os idosos e todos os que estão presos em casa, fazem suas compras ou outras atividades de solidariedade ativa, como fazem muitos espaços sociais.

Usando redes sociais de maneira responsável e unida

No isolamento dos próximos dias, muitas redes sociais serão a única janela do mundo. Vamos tentar não preenchê-los com conteúdo tóxico, mas usá-los como uma ferramenta de compartilhamento e relacionamento. Vamos manter nossos lugares coletivos vivos, mesmo sem contato físico. Organize-se on-line para discutir com atenção e com fontes confiáveis o fluxo diário de notícias, para nos informar sobre as pessoas que precisam de algo e o que podemos fazer para ajudá-las, para relatar problemas. isso deve ser combatido.

Mobilize, mesmo on-line, para que os custos dramáticos da epidemia e quarentena não sejam jogados sobre nossos ombros

Exigimos o congelamento de despejos e demissões, a suspensão de aluguéis, faturas e parcelas, apoio à renda real para muitos trabalhadores, assalariados, precários ou independentes que não podem trabalhar , assistência a famílias com crianças em idade escolar, apoio às muitas realidades sociais e culturais que enfrentarão dificuldades econômicas. Devemos fazer a nossa parte para impedir o contágio, mas não podemos pagar por todos enquanto continuamos alimentando receitas e lucros.

Coloque a saúde, o bem-estar e os serviços públicos no centro das prioridades.

Essa emergência também deixou claro para quem queria esquecer que, sem um sistema de saúde adequado, não há esperança de tratar seriamente as situações mais difíceis. 25 anos de cortes e privatizações danificaram seriamente nossos sistemas de saúde e agora estamos vendo o preço em termos de camas e vidas humanas. Ser responsável diante de uma emergência não significa que devemos parar de denunciar os responsáveis pelo desmantelamento dos serviços públicos e pela transformação neoliberal de nossa sociedade. Voltaremos a ocupar as praças e as ruas.
Para experimentar um mundo diferente.

Esse momento dramático traz à tona as contradições mais profundas de nossa organização social, partindo da carga desigual de cuidado entre homens e mulheres. Esse momento pede que repensemos os instrumentos de assistência social e estilos de vida. Licença parental extraordinária e igual para homens e mulheres; reconhecimento econômico do trabalho assistencial; redução do tempo de trabalho; amortecedores sociais e formas de apoio econômico a trabalhadores estáveis, precários ou independentes; transição ecológica, fora deste sistema que alimenta as epidemias e nosso despreparo para enfrentá-las. O fato de nosso estilo de vida estar tão ameaçado pela emergência deve nos fazer pensar em construir um mundo melhor, diferente e habitável.

Estamos perto de todas as pessoas que convivem com essa situação com uma dificuldade específica, em particular as que vivem nas zonas vermelhas ou as que estão particularmente expostas devido a problemas médicos anteriores. Mesmo em isolamento físico, não vamos deixar de estar unidos, organizados e ativos. Contra o medo, vamos organizar a esperança. "

Preste atenção ao crash da bolsa

Ao contrário de outras informações, este não aparece nas manchetes, e ainda ... Na quinta-feira passada, o preço do petróleo registrou uma queda histórica de 30%. Os índices do mercado de ações estão em queda livre há uma semana, a maioria dos mercados caiu mais de 10% ... o que não havia acontecido desde a crise financeira de 2008. Esse colapso deve-se à ansiedade causada pelo spread O coronavírus, mas outras bolhas financeiras ainda podem estourar, colocando-nos à beira de uma crise sistêmica, que afetará, como sempre, as pessoas mais desfavorecidas, precárias e idosas.

Seremos informados sobre como salvar a economia, mas qual? Aquele que permite que os acionistas (10% da população) continuem a se enriquecer às custas da destruição de nossos ambientes de vida, previdência social, serviços públicos, assistência médica?

Aceitaremos, como em 2008, um plano de resgate financeiro pago com os frutos de nosso trabalho e nossos impostos? E aqueles que especulam sobre a pandemia, que aumentam o preço dos bens necessários, como máscaras e outros? Teremos que liquidar nossas contas. O resgate deve beneficiar os gigantes financeiros ou o refinanciamento dos serviços de saúde?

Devemos, portanto, organizar e resistir, para que os financiadores não tragam as pessoas de joelhos, como aconteceu em 2008!

Para fazer isso: apoiar o grupo de cuidadores " Saúde em luta ", bem como trabalhadores da linha de frente (bombeiros, coletor de lixo, caixas, farmacêuticos, funcionários da casa e muitos outros!), organize-se com os colegas para interromper o trabalho o mais rápido possível, se isso não for essencial e / ou se a gerência não respeitar as precauções de saúde, apoiar financeiramente pequenos trabalhadores independentes e As PME em dificuldade preparam o pagamento da conta mediante um imposto excepcional sobre a crise sobre a riqueza acumulada dos 10% mais ricos ou outras medidas judiciais.

Union Communiste Libertaire Liège

https://bxl.communisteslibertaires.org/2020/03/20/ucl-liege-face-au-coronavius-un-message-despoir-et-un-appel-a-la-creation-de-liens-de-solidarite-dans-la-population
_________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
Send news reports to A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe http://ainfos.ca/mailman/listinfo/a-infos-pt
Archive http://ainfos.ca/pt
A-Infos Information Center