A - I n f o s

a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **
News in all languages
Last 40 posts (Homepage) Last two weeks' posts Our archives of old posts

The last 100 posts, according to language
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Catalan_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ _The.Supplement

The First Few Lines of The Last 10 posts in:
Castellano_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_
First few lines of all posts of last 24 hours | of past 30 days | of 2002 | of 2003 | of 2004 | of 2005 | of 2006 | of 2007 | of 2008 | of 2009 | of 2010 | of 2011 | of 2012 | of 2013 | of 2014 | of 2015 | of 2016 | of 2017 | of 2018 | of 2019 | of 2020

Syndication Of A-Infos - including RDF - How to Syndicate A-Infos
Subscribe to the a-infos newsgroups

(pt) [Itália, umanita nova] O vírus do medo By A.N.A.

Date Wed, 25 Mar 2020 07:46:46 +0200


Como se sabe, o medo é um impulso ancestral da humanidade, é um impulso selvagem e irracional, pré-existente em todas as etapas da civilização e, para qualquer forma de cultura e raciocínio, é um elemento inerente ao estado de natureza animal e atribuível ao instinto mais antigo e primordial da espécie de autopreservação. O medo vem de um sentimento mais que natural, isto é, o terror inconsciente e incontrolável da morte; portanto, o medo é um castigo que deve ser enfrentado e derrotado quando se vive. ---- Desde seu início a humanidade aprendeu (por necessidade incontrolável e não por vontade) a conviver com a consternação causada pela fúria natural e suas manifestações terríveis mais frequentes: trovões e raios, terremotos, erupções vulcânicas e outros cataclismos. Ao longo dos milênios da pré-história, a humanidade tentou exorcizar o medo, tentando interpretar vários fenômenos físicos como eventos sobrenaturais de origem divina: desse modo, surgiram religiões mitológicas antigas que têm suas raízes nos medos mais antigos e longe de nossa espécie.

Ainda hoje, em uma época aparentemente subjugada pelo racionalismo e pela ilusão/complexo da onipotência técnica e utilitária do homem, o medo é um elemento constante de nossa existência. Assume inúmeras manifestações, insinua-se nos meandros mais sombrios e ocultos da alma humana, como um vírus astuto e letal que gera mais danos e ferimentos do que qualquer doença e qualquer epidemia infecciosa.

Não há dúvida de que o medo é um dos traços mais típicos e peculiares da natureza animal, inerentes à humanidade, mas não deve ser uma obsessão que não conceda paz ou alívio. No entanto, a realidade que vivemos hoje é cada vez mais assombrada por medos, do medo de morrer ao medo de viver. Não é por acaso que a triste primazia do suicídio, especialmente entre as gerações mais jovens, seja disputada pelas nações mais ricas e avançadas do Ocidente, o Japão à frente.

Não é por acaso que as sociedades também são governadas pelo uso do medo e que os estados mais avançados da frente tecnológica também usam medos para exercer uma forma cada vez mais ampla de controle social. Não é por acaso que as eleições políticas são vencidas jogando a carta da idiossincrasia ou fobia histérica em relação a alguém, inimigo, outro diferente, para ser demonizado e sacudido como um saco de pancadas.

Em primeiro lugar, o "medo do comunismo", que ainda constitui uma aversão e obsessão pela burguesia. O "espectro do comunismo", após o fracasso do "comunismo real", após a queda do muro de Berlim e o colapso da URSS, é usado muito mais do que no passado, precisamente para conquistar e preservar o poder e a ordem estabelecidos.

No passado recente, um novo medo incorporado à gripe aviária foi importado do Extremo Oriente para a Itália, fazendo a semelhança com as piores pragas dos séculos passados. Naquela ocasião, como aconteceu em outras ocasiões, o pânico acabou sendo muito mais pernicioso do que a própria patologia ornitológica. As galinhas verdadeiras provaram ser as vítimas passivas e de bode expiatório das massivas campanhas de desinformação. A gripe aviária provou ser uma farsa, já que em 1998/99 várias galinhas morreram devido a infecções, mas a mídia não mencionou e todos continuaram a comer galinhas sem alarmes de saúde.

O susto causado pela gripe aviária naqueles anos trouxe toda uma economia agrícola de joelhos, ajudando a aumentar os já colossais lucros das multinacionais farmacêuticas. A história confirma o papel anormal da mídia, cuja "influência" é muito mais prejudicial do que qualquer vírus da gripe.

O ministro de propaganda nazista, Goebbels, estava absolutamente certo quando disse: "Uma mentira, repetida várias vezes, é aceita pelas massas populares como uma verdade incontestável". Na década de 1980, o vírus HIV (AIDS) espalhou uma grande psicose no mundo ocidental: ainda representa uma das principais doenças infecciosas na África e no sul do mundo, uma doença muito mais letal que a tuberculose e a malária, que causa extermínios em massa. Enquanto no Ocidente o vírus da Aids agora está substancialmente sob controle graças aos resultados obtidos no campo da pesquisa, nos países do Terceiro Mundo mata mais do que qualquer outra doença devido aos custos exorbitantes dos antivirais, impostos pelas empresas farmacêuticas multinacionais, poderosas e totalitárias, assim como as empresas petrolíferas e as relacionadas à indústria da guerra, e é por isso que estão entre os mestres absolutos e incontestáveis de nosso planeta.

Na idade das trevas da história, o terror causado pela peste bubônica causou mais danos do que a própria doença. Por exemplo, na Europa medieval, o medo daqueles vistos como causadores da praga era muito mais prejudicial e mortal do que a própria praga que levou milhões de vidas. Os testemunhos que Boccaccio e Manzoni nos deixaram em suas obras (O Decameron e a História da Coluna Infame) nos transmitem ensinamentos muito valiosos. Mas, como costuma ser o caso, como Antonio Gramsni disse, a história ensina, mas não há ninguém que queira aprender com ela.

Eventos relacionados ao novo vírus, Covid-19, mais conhecido como Coronavírus, confirmam que o medo é muito mais sutil e pernicioso do que qualquer doença epidêmica; no entanto, ao mesmo tempo, pode ser rentável para quem, cinicamente e sem escrúpulos, conseguem tirar vantagem disso. A histeria coletiva gerada pelo novo vírus é um fenômeno de proporções imensas e aterrorizantes. Nossa hipótese, ditada por experiências históricas, é que as atuais campanhas da mídia de alarmismo e terrorismo psicológico maciço servirão para justificar e incentivar a corrida futura a comprar milhões de doses de vacina como precaução e prevenção, o que beneficiará os principais gigantes farmacêuticos multinacionais.

Fonte: https://umanitanova.org/?p=11742

Tradução > Liberto

Conteúdos relacionados:
_________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
Send news reports to A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe http://ainfos.ca/mailman/listinfo/a-infos-pt
Archive http://ainfos.ca/pt
A-Infos Information Center